Segunda-feira, 17 de junho de 2024

O que a reforma tributária propõe de mudança para o imposto da herança? Veja perguntas e respostas

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma tributária foi aprovada pelo Senado e agora retorna à Câmara para nova análise dos deputados. O novo sistema prevê alterações nos tributos brasileiros – entre eles, no Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD), conhecido como o “imposto das heranças”.

O ITCMD é estadual e possui alíquotas que podem chegar até 8%. Há Estados em que a alíquota é fixa, independente do valor do patrimônio, e outros em que há uma progressividade. Veja abaixo o que muda para o imposto com a reforma tributária.

1. O que a reforma tributária propõe de mudança para o imposto da herança? A PEC estabelece que o imposto será obrigatoriamente progressivo, com base no valor da doação ou herança, de quaisquer bens e direitos. Haverá uma alíquota máxima ainda a ser definida.

Isso quer dizer que quanto maior o valor da herança ou doação, maior será a alíquota aplicada. Porém, o índice de progressividade deve acompanhar o valor do quinhão ou do legado, não o da herança. No caso de uma herança dividida por vários herdeiros, o valor que cada um recebe pode não significar um aumento significativo no patrimônio a ser recebido. Dessa forma, não seria necessário uma alíquota maior. Por isso, a progressividade da tributação deverá ser justificada a partir do legado.

2. Muda algo sobre onde o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação é recolhido? Sim. Hoje, segundo o texto vigente na Constituição Federal, o imposto é recolhido ao Estado em que se processa o inventário ou arrolamento. No texto da reforma tributária, a competência tributária fica para o estado “onde era domiciliado o de cujus”, ou seja, onde morava o falecido que deixou os bens, ou onde tiver domicílio o doador, ou ao Distrito Federal.

3. O que acontece se os bens, o doador ou donatário estiverem no exterior? Os estados poderão cobrar o imposto sobre doações e heranças caso o doador, o donatário ou os bens estiverem no exterior, o que hoje não é permitido.

Se o doador tiver domicílio ou residência no exterior, o imposto será recolhido ao Estado onde tiver domicílio o donatário ou ao Distrito Federal. Caso o donatário tenha domicílio ou resida no exterior, vale o imposto do Estado em que se encontrar o bem ou ao Distrito Federal.

No caso de herança, se o falecido morava no exterior, o imposto será recolhido onde tiver domicílio o sucessor ou legatário, ou ao Distrito Federal.

4. Doações para entidades sem fins lucrativos terão de pagar impostos? A reforma prevê isenção do ITCMD para doações às entidades sem fins lucrativos com finalidade de relevância pública e social, inclusive organizações assistenciais e beneficentes de entidades religiosas e institutos científicos e tecnológicos.

5. A partir de quando as mudanças começam a valer? As alterações nos impostos não passam a valer imediatamente. Com as mudanças do Senado, o texto terá de passar por uma nova votação na Câmara, mas o presidente da Casa, deputado Arthur Lira (PP-AL), já sinalizou que os trechos de consenso poderão ser promulgados logo, o que garante a contagem dos prazos da transição. Ainda não há prazos para a transição aos novos modelos do ITCMD.

A reforma prevê um período de transição de sete anos, entre 2026 e 2032, até a adoção completa do novo modelo proposto em 2033. Até lá, haverá uma transição gradual para o novo sistema tributário.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Aneel já recebeu mais de 150 mil queixas sobre distribuidoras de luz em 2023
Confira dicas para não cair em ciladas na Black Friday
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play