Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Parceria entre Lula e o governador de São Paulo em tragédia no Estado vira munição política para petistas e bolsonaristas

A tragédia das chuvas no litoral de São Paulo, com dezenas de mortos, virou munição política para aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Após o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) posar para foto ao lado do petista, que interrompeu uma viagem a Salvador para visitar áreas afetadas pela chuva, bolsonaristas passaram a questionar o que Lula fez de concreto para ajudar as vítimas. Ao mesmo tempo, apoiadores do petista foram às redes sociais para comparar o gesto do presidente com a postura de Bolsonaro em situações de calamidade.

Ex-ministro de Bolsonaro, Tarcísio agradeceu a presença de Lula em São Sebastião (SP), na segunda-feira (20). Segundo o governador, a ida do presidente ao litoral paulista dá “amparo e conforto” ao Estado. “A gente precisa trabalhar em um regime de cooperação”, afirmou. Em seguida, focou o discurso em medidas decretadas para recuperar a região, ao falar para jornalistas.

Ao assumir o microfone, Lula, por sua vez, fez comparações com o passado, sem citar Bolsonaro: “Queria mostrar a vocês uma cena que há muito tempo vocês não viam: um governador, um presidente, um prefeito, sentados numa mesa em função de algo comum que atinge a todos nós”, disse. O petista tem sido criticado por manter os “olhos no retrovisor” e continuar invocando Bolsonaro em seus discursos, mesmo caminhando para o terceiro mês de mandato.

“A presença do governador e do prefeito dá demonstração de que é possível exercer nossa função na democracia mesmo quando temos partidos diferentes ou pensamos de forma divergente”, acrescentou Lula. “O bem comum do povo é muito maior que nossas diferenças políticas.”

Nas redes sociais, aliados de Lula reforçaram a comparação feita pelo presidente e relembraram um episódio de dezembro de 2021, quando Bolsonaro disse esperar “não ter de retornar antes” de suas férias em Santa Catarina no momento em que a Bahia enfrentava fortes chuvas. Apesar da declaração, Bolsonaro chegou a sobrevoar a região afetada pelo temporal na época e escalou ministros para trabalhar com autoridades locais.

“Preocupado com o que aconteceu, o presidente Lula parou seu feriado para ver de perto a situação. O Brasil tem presidente”, publicou a deputada federal e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PT). O deputado federal Nilto Tatto (PT-SP) também explorou a situação como capital político para Lula: “Diferença que faz ter um presidente que cuida das pessoas”, publicou. O deputado Guilherme Boulos (PSOL-SP) publicou imagem de uma notícia antiga sobre Bolsonaro ignorar a tragédia na Bahia e escreveu: “A diferença de ter um presidente humano”.

Já políticos bolsonaristas criticaram a quantia liberada pelo governo federal para socorrer as cidades atingidas pelo temporal, de R$ 2 milhões. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) comparou o valor com os R$ 5 milhões captados pela atriz Cláudia Raia para um espetáculo via Lei Rouanet. “O pai dos pobres”, ironizou. O dinheiro destinado à Lei Rouanet, porém, não sai diretamente dos cofres públicos. “O presidente de todos os brasileiros… desde que sejam ‘cumpanheiros!’ (sic)”, publicou o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) sobre o mesmo assunto.

A deputada Carla Zambelli (PL-SP) relembrou quando Bolsonaro liberou crédito extra de R$ 700 milhões para atender às regiões afetadas por chuvas na Bahia e em Minas no fim de 2021. “Lula liberou R$ 2 milhões? Que tipo de ‘presidente’ é este?”, questionou. “Nós tínhamos presidente”, completou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Ministra é resgatada de helicóptero após fortes chuvas no litoral de São Paulo
Putin repete afirmação de que a invasão da Ucrânia era necessária para defender a Rússia
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play