Sábado, 24 de fevereiro de 2024

Petrobras é incluída pelo governo em carteira de estudos para privatização

O Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) aprovou nesta quinta-feira (2) a recomendação de qualificação da Petrobras na carteira do PPI, com o objetivo de iniciar os estudos de uma eventual privatização da estatal. O projeto de venda da companhia ganhou força política no governo a partir dos sucessivos reajustes nos preços dos combustíveis, que desagradam o presidente Jair Bolsonaro em razão de seu projeto de reeleição.

Trata-se do primeiro passo de um longo processo que deve levar quatro anos caso vá para frente, segundo estimativa do próprio Bolsonaro. É preciso do aval da Presidência, do Congresso e do Tribunal de Contas da União (TCU).

Caso a privatização seja considerada viável após a conclusão dos estudos, o conselho do PPI recomenda ao presidente, que, por decreto, inclua as empresas no Programa Nacional de Desestatização (PND).

Apesar de os estudos para privatização serem oficializados só agora, o Ministério da Economia está debruçado sobre a venda da empresa e da PPSA (estatal responsável pela parte da União no pré-sal) desde o ano passado, de acordo com fontes. A resistência do então ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, ao assunto, no entanto, travou um avanço oficial.

O anúncio dos estudos para a privatização da estatal de óleo e gás e da PPSA foi feito pelo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, em seu primeiro pronunciamento no cargo em 11 de maio. Já a formalização do pedido ao Ministério da Economia, para incluir a empresa na carteira do PPI, foi feita na última segunda-feira (30). Os estudos para privatização da PPSA já foram qualificados na carteira do PPI.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Cem dias da guerra na Ucrânia: Minas explosivas são legado perigoso e já infestam 300 mil km²
Mais três linhas passam a circular sem cobrador em Porto Alegre a partir de segunda
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play