Quinta-feira, 09 de dezembro de 2021

loader

Polônia usa canhões de água e gás lacrimogêneo contra imigrantes na fronteira com Belarus

O tenso impasse na fronteira entre a Polônia e a Belarus se transformou em uma confusão perigosa na manhã desta terça-feira (16), quando guardas poloneses usaram canhões de água e gás lacrimogêneo contra migrantes, alegando que o grupo tentava atravessar a divisa fortemente protegida.

A contenda acontece em meio a um aumento na tensão entre a União Europeia e a Belarus, à medida que milhares de migrantes, principalmente do Oriente Médio, voam para a região na esperança de encontrar um caminho para o bloco. Os membros da UE que fazem fronteira com a Belarus — Letônia, Lituânia e Polônia — acusam o governo bielorruso, liderado por Alexander Lukashenko, de orquestrar o que eles dizem ser um “ataque híbrido” usando seres humanos como armas.

As tensões da manhã desta terça foram precedidas por várias noites de intensos confrontos. As autoridades polonesas, em uma série de mensagens no Twitter, disseram que os guardas de fronteira no cruzamento da fronteira entre Bruzgi e Kuznica, na Polônia, foram atacados por pessoas que atiraram “pedras, garrafas e toras” e dispararam “granadas de atordoamento”.

“Todo comportamento agressivo é coordenado pelos serviços bielorrussos e monitorado por drones”, disseram as autoridades polonesas, postando vídeos dos confrontos. “Como resultado de um ataque por pessoas no lado bielorrusso, um dos policiais ficou gravemente ferido.”

O policial estava sendo tratado em um hospital pelo que se acreditava ser uma fratura de crânio, disseram as autoridades.

Uma vez que o governo polonês proibiu jornalistas de fazer reportagens na fronteira, foi impossível verificar as alegações das autoridades ou a veracidade das dezenas de vídeos que apareceram nas redes sociais com o objetivo de mostrar trechos do confronto.

O governo polonês tem sido criticado por organizações humanitárias por ter aprovado, em outubro, uma emenda legal que permite que os migrantes sejam empurrados de volta para a fronteira. O texto também prevê que pedidos de asilo feitos por aqueles que entraram ilegalmente no país sejam ignorados.

No final da terça, os guardas de fronteira da Belarus começaram a mover centenas de migrantes de um acampamento fétido e congelado na fronteira com a Polônia para o abrigo de um armazém próximo. Não ficou claro quais planos as autoridades bielorrussas tinham para os migrantes que estavam transferindo.

Alguns dos migrantes que se dirigiam para o armazém pareciam estar desistindo.

“É muito impossível ir para a Europa, nós queremos ir para casa”, disse Bilal, de 23 anos, um migrante do Iraque que forneceu apenas seu primeiro nome.

Mas, ao cair da noite, centenas de pessoas ainda podiam ser vistas a céu aberto na área perto da passagem da fronteira, preparando-se para outra noite gelada.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, classificou as ações das forças polonesas como “absolutamente inaceitáveis” em uma entrevista coletiva. Lavrov disse que as forças “violam todas as normas concebíveis do Direito Internacional Humanitário e outros acordos da comunidade internacional”.

Moscou manteve-se firme ao lado de Belarus enquanto a condenação internacional aumentava.

Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN, disse que a aliança está “profundamente preocupada com a maneira como o regime de Lukashenko está usando migrantes vulneráveis ​​como uma tática híbrida contra outros países, e isso está realmente colocando em risco a vida dos migrantes”.

O governo Lukashenko negou as acusações, inclusive dos Estados Unidos, de que tenha engendrado a crise e esteja dirigindo o movimento dos migrantes.

“Não podemos permitir que esse chamado problema leve a um confronto acalorado”, disse Lukashenko em uma reunião governamental na terça-feira, segundo a Belta, a agência de notícias estatal.

“O principal agora é proteger nosso país e nosso povo, e não permitir confrontos”, acrescentou. Belarus disse que está investigando as ações dos guardas de fronteira poloneses.

A contenda desta terça ocorreu em um cruzamento que até recentemente era uma ligação vital e movimentada entre a Europa e a Bielo-Rússia.

Mas o local foi transformado à medida que helicópteros e drones do governo circulam bem acima de um labirinto de arame farpado e paredes de concreto.

Presos entre soldados armados da Polônia e Bielo-Rússia, alguns migrantes que lutam para se manter aquecidos em abrigos improvisados ​​suspeitam da oferta de um lugar quente para dormir pelas autoridades bielorrussas.

Reker Hamid, de 32 anos, disse que foi um estratagema para esvaziar o acampamento de migrantes contra a cerca da fronteira e se preparar para o que ele acredita ser uma deportação em massa para o Iraque.

“Prefiro morrer aqui no frio do que voltar para o Iraque”, disse ele.

Ele disse que gastou US$ 10 mil, a maior parte emprestada, para levar ele, sua esposa e seu filho de 2 anos para a porta da Europa e não voltaria atrás.

Outros, com frio e fome, estavam resignados com o fracasso e prontos para partir.

“Está tudo acabado. Ficamos aqui e morremos ou desistimos” disse Diyar Hassan, que fez quatro tentativas malsucedidas de entrar na Polônia.

Embora a travessia em Bruzgi tenha sido o foco de alguns dos impasses mais intensos, a fronteira entre Belarus e Polônia se estende por cerca de 400 km e histórias de sofrimento e perda têm crescido a cada dia, já que o impasse não mostra sinais de ser resolvido.

Pelo menos 11 pessoas morreram na fronteira nas últimas semanas.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Portugal define novas regras para empregado em home office
Prefeito americano é preso e indiciado por causa de “pornô de vingança’
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play