Domingo, 25 de fevereiro de 2024

Porta-aviões brasileiro continua sem ter para onde ir

Impedido de atracar em Pernambuco desde outubro de 2022 por causa de risco ambiental, o casco do antigo navio porta-aviões São Paulo começou a ser movimentado para deixar a costa do Estado. A Marinha disse que proibiu a manutenção da embarcação perto do País devido ao elevado risco de afundar ou encalhar.

Na manhã dessa sexta-feira (20), o navio estava a cerca de 335 quilômetros do Porto de Suape, que fica no Litoral Sul de Pernambuco. Antes disso, desde outubro, ele estava a cerca de 46 quilômetros da costa pernambucana.

A reportagem entrou em contato com a Marinha para saber qual é a empresa que está levando o navio embora, quem está custeando esse deslocamento e para onde a embarcação está indo, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem.

A embarcação pertencia à Marinha antes de ser vendida para a empresa turca Sök Denizcilik Tic Sti (Sök) através de uma licitação.

A empresa pretendia levá-lo para a Turquia, mas o casco, que saiu do Rio de Janeiro rebocado por outra embarcação, não foi autorizado a entrar no País por conter amianto.

Em nota, a Marinha informou que:

– A empresa turca que comprou o navio não adotou medidas necessárias para manter a embarcação em segurança na área marítima perto da costa brasileira;

– A Autoridade Marítima Brasileira fez uma perícia no casco do navio e constatou “severa degradação das condições de flutuabilidade e estabilidade”;

– O casco não tem seguro e sequer contrato para atracação e reparo com algum estaleiro ou empresa;

– A empresa turca parou de pagar o rebocador que é responsável pelo navio;

– No dia 10 de janeiro, a empresa disse que não tinha mais recursos para manter o navio sem definição e ameaçou abandoná-lo no mar;

– A Autoridade Marítima Brasileira determinou que o rebocador leve o porta-aviões para uma área com maior profundidade, sendo o reboque acompanhado pela fragata União e pelo navio de apoio oceânico Purus;

– Para garantir a segurança da navegação e a prevenção da poluição ambiental na costa brasileira e seus portos, não foi autorizada a aproximação do porta-aviões de águas interiores ou terminais portuários do Brasil.

Entenda o caso

Após ser vendido para uma empresa turca, que não conseguiu levá-lo para a Turquia, o navio foi rebocado de volta ao Brasil. A empresa decidiu atracar a embarcação em Suape, no Grande Recife, por Pernambuco ser mais próximo da Europa, e não no Rio de Janeiro, de onde a embarcação partiu. Por causa de risco ambiental, o governo de Pernambuco foi contrário à atracação e acionou a Justiça Federal.

Uma decisão judicial proibiu que o porta-aviões atracasse no Estado e determinou multa diária de R$ 100 mil ao governo federal e à empresa agenciadora, em caso de descumprimento.

Em janeiro de 2023, a empresa responsável pelo navio ameaçou abandonar o porta-aviões no mar e disse que era um “pedido de socorro” por não ter mais recursos para manter a embarcação.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Governo Lula começa sob pressão e sem a folga dos 100 dias na economia
Em meio a protestos contra o governo, Peru fecha entrada para Machu Picchu
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play