Sexta-feira, 24 de maio de 2024

Presidente do Banco Central diz que inundações no Rio Grande do Sul terão desdobramentos econômicos que requerem acompanhamento

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, disse que as inundações que assolam o Rio Grande do Sul além de “grandes impactos humanitários”, “terão desdobramentos econômicos que requerem acompanhamento”.

O banqueiro central comentava que eventos climáticos extremos, que estão cada vez mais frequentes podem gerar “efeitos em toda a cadeia produtiva”, como a inflação de alimentos no curto prazo, e citou o RS como exemplo disso.

“Aproveito essa oportunidade para expressar minha solidariedade ao povo gaúcho, aos nossos servidores e às pessoas afetadas por essa tragédia”, disse na abertura da Conferência Anual do BC nesta quarta-feira (15).

De acordo com o último boletim diário da CNM (Confederação Nacional dos Municípios) sobre os desastres no RS, divulgado na terça-feira, foram registrados de R$ 8,9 bilhões de prejuízos financeiros e danos em 105,6 mil moradias.

Segundo estimativas, produtos como arroz e leite podem ter aumento nos próximos dias. Campos Neto também chamou a atenção para a necessidade de realizar a transição energética para reduzir os impactos econômicos. “A tão necessária transição energética demanda investimentos e gera novos custos para a produção”, disse.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Transporte público de Porto Alegre trabalha com 70% da oferta de dias úteis
Lula visita o Rio Grande do Sul pela terceira vez e diz que todo mundo “vai ter sua casinha”
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play