Segunda-feira, 22 de abril de 2024

Rio Grande do Sul recebe mais 97 mil doses da vacina bivalente contra a Covid-19

O Rio Grande do Sul recebeu, neste sábado (18), 97,2 mil doses de vacina bivalente contra a Covid-19. No total, já foram encaminhados 354,7 mil imunizantes ao Estado. Nas próximas semanas, o Ministério da Saúde enviará novas remessas.

As vacinas serão distribuídas e encaminhadas às 18 coordenadorias regionais, onde haverá separação para que os municípios façam a coleta das suas respectivas doses após o feriado de Carnaval. Até lá, elas permanecem no Cead (Centro Estadual de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos da Secretaria da Saúde.

No Rio Grande do Sul, a campanha de vacinação com o imunizante bivalente se iniciou oficialmente na terça-feira (14) passada, em Canoas. O trabalho em conjunto com os municípios e a capacidade técnica viabilizaram a antecipação da campanha, em relação à data prevista em nível nacional.

Além de priorizar o atendimento de pessoas em ILPIs (instituições de longa permanência para idosos), a SES recomenda aos municípios aplicar a bivalente em idosos com 70 anos ou mais nos postos de saúde. Para isso, será usado o excedente de doses que cada município tiver recebido.

Considerando que a campanha em âmbito nacional começa oficialmente no próximo dia 27 e que o sistema de informações nacional só poderá ser abastecido a partir desta data, a recomendação do Centro Estadual de Vigilância em Saúde é de restringir a aplicação de doses da vacina bivalente em um ou, no máximo, dois postos de saúde por município.

“Importante lembrar que, até o dia 27, cada município deve fazer um controle próprio das vacinas aplicadas, para só depois repassar ao sistema de informações do Ministério da Saúde”, explica a diretora do Cevs, Tani Ranieri. “É fundamental que as nossas prefeituras mantenham esse registro interno, para que as vacinas bivalentes sejam contabilizadas para a cobertura vacinal da população e que cada um tenha seu registro no ConecteSUS.”

Para receber essa dose, a pessoa precisa ter concluído, pelo menos, o esquema primário da vacinação contra a Covid-19, composto pelas duas primeiras doses.

A vacina bivalente conta com cepas atualizadas contra o coronavírus, protegendo contra as duas maiores variações da Ômicron, que registraram o maior número de casos na última grande onda em nível nacional. “Por ser mais específica, essa vacina tem maior potencial de desenvolver imunidade, principalmente naquelas pessoas com um sistema imunológico mais enfraquecido”, enfatizou Tani Ranieri.

Etapas

Fase 1: pessoas de 70 anos ou mais; pessoas vivendo em instituições de longa permanência (abrigados e os trabalhadores dessas instituições); imunocomprometidos; comunidades indígenas, ribeirinhas e quilombolas;

Fase 2: pessoas entre 60 e 69 anos;

Fase 3: Gestantes e puérperas;

Fase 4: Trabalhadores da saúde;

Fase 5: Pessoas com deficiência permanente.

As pessoas que não fazem parte do grupo prioritário para as vacinas bivalentes e não iniciaram a vacinação, ou que estão com o esquema vacinal para sua faixa etária incompleto, deverão completá-lo com as vacinas monovalentes.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de coronavírus

Mangueira e Salgueiro são as estrelas do primeiro dia de desfiles do Carnaval no Rio de Janeiro
China alerta que os Estados Unidos podem sofrer “consequências” em incidente com balão
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play