Domingo, 05 de dezembro de 2021

loader

Robô da Nasa faz descoberta inédita ao investigar rochas em Marte

O robô Perseverance fez uma pausa bem merecida em outubro durante a conjunção solar, mas está de volta à investigação de rochas intrigantes na cratera de Jezero em Marte.

A conjunção solar – um período em que o sol está entre a Terra e Marte – começou em 2 de outubro, o que interrompeu as comunicações da Nasa (agência espacial norte-americana) com o rover. Esse apagão terminou em 19 de outubro, e o Perseverance voltou imediatamente à busca por sinais de vida ancestral no planeta vermelho.

Um dos principais objetivos do robô é coletar amostras de rochas e sujeira em Marte que serão devolvidas à Terra em missões futuras. Duas amostras já foram coletadas, com a ajuda do helicóptero Ingenuity, que auxilia no encontro de alvos dignos de investigação.

Desde 25 de outubro, o Perseverance tem investigado rochas da região sul do planeta, que são de interesse para a equipe de cientistas na Terra. O rover tem uma ferramenta abrasiva em seu braço robótico que pode raspar camadas para dar uma olhada dentro dessas rochas.

“Rochas em camadas como essa costumam se formar na água e podem conter pistas sobre como seu ambiente costumava ser. Vamos ver se este seria outro bom lugar para pegar amostras”, escreveu a Nasa em perfil do rover no início de novembro.

Depois de raspar as rochas, o Perseverance enviou de volta imagens para mostrar o que estava sob a camada superior: o que parece ser um bando de minerais e sedimentos granulados.

“Olhei para dentro para ver algo que ninguém nunca viu. Raspei um pequeno pedaço desta rocha para remover a camada da superfície e dar uma olhada embaixo. Focando no meu próximo alvo para conseguir amostras de Marte”, postou a conta do Perseverance em 9 de novembro.

O conteúdo mineral das rochas na cratera de Jezero, local que já foi um lago 3,7 bilhões de anos atrás, age como uma cápsula do tempo intacta. Podem dizer aos cientistas como as rochas se formaram e como era o clima na época.

Isso pode fornecer uma visão geral de como eram o lago e o delta de seu rio quando o planeta era mais quente e úmido – e potencialmente habitável.

“O Perseverance e sua equipe percorreram um longo caminho nos últimos 8 meses de operação na superfície de Marte”, escreveu David Pedersen, co-investigador do rover na Universidade Técnica da Dinamarca, em uma postagem recente.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Isolamento social durante a pandemia potencializou separação de casais. Especialistas ensinam a encarar a tristeza e retomar a vida
Marília Mendonça deixa mais de 300 músicas, projetos a serem lançados e inspiração para nova leva do sertanejo feminino
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play