Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Rússia cogita guerra nuclear contra escalada militar do Ocidente na Ucrânia

A Guerra da Ucrânia entra em sua 48ª semana com um novo ponto de inflexão no conflito entre a Rússia, que invadiu o país vizinho em fevereiro passado, e o Ocidente, que tem sustentado militarmente os esforços de Kiev em resistir à agressão.

Nessa quinta-feira, véspera da reunião em que aliados ucranianos prometeram um pacote robusto de novas armas que pode incluir tanques de guerra até agora não enviados para o conflito, Moscou reagiu à movimentação ameaçando o emprego de sua bomba atômica retórica: armas nucleares de verdade.

Representante da linha dura do Kremlin, Dmitri Medvedev, que presidiu o país em nome de Vladimir Putin de 2008 a 2012, foi ao Telegram comentar o encontro dessa sexta-feira do grupo de 50 países liderados pelas forças da Otan, a aliança militar ocidental, na base americana de Ramstein, na Alemanha.

“Baladeiros políticos subdesenvolvidos repetem como mantra: ‘Para obter a paz, a Rússia precisa perder’. Nunca lhes ocorre trazer a seguinte conclusão elementar disso: a derrota de uma potência nuclear numa guerra convencional pode levar a uma guerra nuclear. Potências nucleares não perdem conflitos em que seu destino está em jogo”, escreveu.

O comunicado é interessante. Se por um lado Medvedev repete o que já disse outras vezes, apelando a uma linha que já não comove tanto os políticos ocidentais, por outro transparece uma franqueza inusitada: a admissão de que os russos podem ser derrotados.

Já no ambiente oficial do Kremlin, o porta-voz Dmitri Peskov foi numa linha semelhante ao comentar reportagem do jornal americano The New York Times, segundo a qual o governo de Joe Biden tem discutido apoiar uma eventual ofensiva ucraniana contra a Crimeia – península anexada em 2014 pela Rússia e joia da coroa expansionista de Putin, sede de sua Frota do Mar Negro.

Conflito nuclear

A reportagem é, no jargão político, um balão de ensaio: para tal ataque, Kiev precisaria retomar a província de Kherson, algo que não parece tão simples. Mas Peskov mordeu a isca e indicou a reação russa.

“Significaria elevar o conflito a um novo nível que não acabará bem para a segurança europeia.” Ele também endossou o comentário de Medvedev, dizendo que “está de acordo com a doutrina nuclear russa”, em referência a um dos preceitos para o emprego das armas inomináveis: risco existencial para o Estado.

Por outro lado, um anúncio significativo por parte da Suécia sugere que o Ocidente está disposto a testar novamente as linhas vermelhas constantemente redesenhadas pelo Kremlin. Também nesta quinta, o governo sueco, que negocia sua entrada na Otan, anunciou que vai colocar no megapacote militar de sexta um número indeterminado de sistemas de artilharia Archer, do qual tem 48 unidades.

É um dos melhores obuseiros autopropulsados do mundo e, a depender da munição utilizada, pode atingir alvos a 50 quilômetros de distância. Até aqui, a Ucrânia dependia nessa categoria acima de 150 mm de calibre dos mais antiquados Msta-S soviéticos, dos quais dispunha de 40 antes do início da guerra.

Estocolmo também promete enviar 50 carros de combate leves. Assim, soma-se à ajuda que será liderada por até US$ 2 bilhões dos EUA – que já anunciaram incluir 50 blindados Bradley, a coisa mais próxima de um tanque de guerra por eles prometida a Kiev, e sistemas antiaéreos Patriot.

Aqui começam os problemas dos ocidentais e de seus aliados, todos sob o guarda-chuva americano da Otan. O governo de Volodimir Zelenski quer 300 tanques para segurar a ofensiva russa no leste do país, que nesta quinta parece ter chegado ainda mais perto da vital cidade de Bakhmut, em Donetsk (Donbass).

Especialistas falam que cem tanques novos já ajudariam a equilibrar o jogo. Até aqui, a Otan evitava falar no envio desses veículos por temer a reação russa. Isso mudou, e o Reino Unido fez o primeiro anúncio sobre armas do tipo nessa semana, prometendo 14 Challenger-2 para o pacote europeu, que inclui aliados como Austrália, de sexta.

Tudo isso elevou a pressão sobre a Alemanha, que produz o tanque moderno mais utilizado na Europa, o Leopard-2. Não só para enviar alguns dos seus 376 blindados, mas principalmente para autorizar os outros operadores a enviar seu produto para uma terceira parte.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Limite de dinheiro vivo para viagens internacionais sobe para 10 mil dólares; saiba como declarar
Fazer empréstimo para quitar dívida é um bom negócio; saiba como
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play