Domingo, 19 de maio de 2024

Senador gaúcho Luis Carlos Heinze diz que em nenhum momento cogitou “sequestrar ou confiscar uma urna eletrônica”

Citado na delação de Mauro Cid como integrante de grupo de “radicais” pró-golpe de Estado, o senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) afirmou, em nota, que “em nenhum momento cogitou, afirmou ou mesmo pensou em sequestrar ou confiscar uma urna eletrônica”.

Heinze alega que recorreu apenas a mecanismos legais para tirar supostas dúvidas sobre o processo eleitoral e que tudo ocorreu de maneira transparente.

“As ações que empreendi após as eleições de 2022 são de domínio público e estão devidamente documentadas, não se baseiam em conjecturas ou delações”, escreveu Heinze, em suas redes sociais.

“Diante das dúvidas em relação ao escrutínio e atendendo aos apelos por esclarecimentos dos meus eleitores, recorri aos mecanismos legais disponíveis, buscando a intervenção do Estado para a realização de uma investigação imparcial”, acrescentou.

Heinze argumenta que “não houve qualquer falta de transparência em suas ações” e que “jamais venderia a sua dignidade”. “Desde quando buscar a verdade por meio de uma investigação constitui um crime?”, questionou.

Em um dos trechos, o parlamentar insinua estar sendo vítima de algum tipo de perseguição política.

Além de ter sido citado na delação de Mauro Cid, conforme noticiado pelo jornal O Globo, Heinze também consta no inquérito da Polícia Federal (PF) que apura uma tentativa de golpe de Estado por parte do então presidente Jair Bolsonaro e seus aliados.

No inquérito, consta que Heinze participou de uma reunião com Bolsonaro em meio ao início de tratativas que teriam finalidade de planejar e executar ações que pregavam um golpe militar. Apesar de ser citado, o senador não é investigado.

O senador Luis Carlos Heinze foi um dos integrantes da tropa de choque do governo Bolsonaro na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, em 2021. Na época, o então relator, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), chegou a propor a inclusão de Heinze entre os alvos de pedido de indiciamento.

O senador do Rio Grande do Sul era acusado por colegas de comissão de disseminar desinformação sobre os tratamentos para pacientes com covid. Durante as sessões, ele utilizava seu espaço de fala para defender medicamentos cuja eficácia contra a doença não era comprovada, além de difundir o chamado “tratamento precoce”, também sem eficácia comprovada.

Em novembro de 2022, Heinze participou de uma audiência no Senado na Comissão de Fiscalização e Controle do Senado na qual participantes apontavam problemas no processo eleitoral de 2022 e criticavam o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A audiência teve a presença majoritária de aliados do ex-presidente. Na ocasião, Heinze fez um discurso dizendo que “criminosos querem voltar ao poder”.

“E não podem voltar ao poder. Faremos de tudo o que for necessário. Não, não arredaremos o pé dos nossos direitos. Vocês, que estão protestando – e é legítimo –, e nós faremos a nossa parte. Estamos juntos nessa empreitada, até o fim, para que a verdade seja restabelecida. E nós estamos com a verdade”, afirmou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Fake news: Procuradoria-Geral da República pede o arquivamento de inquérito contra Google e Telegram
Soco na mesa e gritos marcam reunião de ministro da Educação e relator do Novo Ensino Médio
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play