Terça-feira, 25 de junho de 2024

Superior Tribunal Federal autoriza governador a passar fim de ano com os irmãos

O Superior Tribunal Federal (STF) autorizou o governador do Acre, Gladson Cameli, a ter contato com os irmãos Eládio Cameli Júnior e Gledson Cameli durante as festas de fim de ano. A autorização começa neste sábado (23) e se estende até o dia 1º de janeiro. A decisão é do presidente do STF, Luís Roberto Barroso.

O governador foi proibido de se aproximar dos parentes, inclusive do pai, no início de 2023, durante a 3ª fase da Operação Ptolomeu, que investiga corrução e lavagem de dinheiro no atual governo. Em junho deste ano, após recurso, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou o governador a ter contato com o pai, Eládio Cameli, de 70 anos.

A Operação Ptolomeu foi iniciada em 2021 e investiga, entre outros, o governador do Acre, Gladson Cameli (PP). A terceira fase da operação foi deflagrada no dia 9 de março deste ano a partir de investigações da Polícia Federal, da Procuradoria-Geral da República, da Receita Federal e da Controladoria-Geral da União.

Na ação, foram cumpridos 89 mandados de busca e apreensão em seis estados e no Distrito Federal.

Denúncia

No final do mês de novembro, a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) que o governador Gladson Cameli (PP) fosse imediatamente afastado do cargo.

A denúncia feita pela PGR contra o governador apontou que a empresa Murano Construções e empresas subcontratadas – sendo o irmão do governador, Gledson Cameli, um dos sócios dessa empresa – teriam pagado propina ao chefe do executivo estadual em valores que superam os R$ 6,1 milhões, por meio do pagamento de parcelas de um apartamento em bairro nobre de São Paulo e de um carro de luxo.

Ao longo de quase 200 páginas, o MPF apresentou amplo material probatório dos crimes praticados e que tiveram como ponto de partida a fraude licitatória, o que consistiu na adesão da Secretaria de Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano do Estado do Acre a uma ata de registro de preços vencida pela empresa Murano, que tem sede em Brasília (DF), e nunca havia prestado serviços no Estado do Acre.

O objeto da licitação feita pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano (campus Ceres /GO) era a prestação de “serviços comuns de engenharia referentes à manutenção predial”. Já no Acre, a empresa foi responsável pela execução de grandes obras rodoviárias, tarefas executadas, conforme a denúncia, por companhias subcontratadas, uma delas a Rio Negro Construções, que tem como sócio Gledson Cameli, irmão do governador.

Em nota divulgada na época, o governador disse que confia na Justiça, se mantém à disposição para quaisquer esclarecimentos e continuaria com sua agenda na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-28), que ocorre em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, entre 30 de novembro e 12 de dezembro.

Gladson de Lima Cameli (PP) e outras doze pessoas são suspeitas pelos crimes de organização criminosa, corrupção nas modalidades ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro e fraude a licitação. Iniciadas em 2019, as práticas ilícitas descritas na denúncia teriam causado prejuízos de quase R$ 11,7 milhões aos cofres públicos.

Além da condenação de forma proporcional à participação individual no esquema criminoso, o subprocurador-geral da República Carlos Frederico Santos pediu o afastamento do governador até o fim da instrução criminal. Somadas, as penas pelos crimes podem ultrapassar 40 anos de reclusão.

No último dia 14, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu pelo desmembramento da denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF), sobre suposto esquema criminoso liderado pelo governador do Acre, Gladson Cameli, envolvendo crimes de peculato, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A data para que a corte decida se Gladson será considerado réu é 22 de fevereiro de 2024. Na mesma data, deve ser analisado se ele será afastado do cargo ou não. Este último tópico, que foi apresentado pelo MPF, não foi analisado pela corte.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Em mensagem nas redes, Lula diz que 2023 foi para arrumar a casa
Lula sai em defesa do ministro das Relações Institucionais para conter fritura do ministro responsável pela articulação política do governo com o Legislativo
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play