Sábado, 02 de julho de 2022

loader

Tem medo de agulha? Vem aí vacina em adesivo de apenas 1 centímetro, autoaplicável e supereficaz

Cientistas americanos desenvolveram uma vacina em forma de adesivo, criada via impressão 3D, que demonstrou oferecer maior proteção imunológica que a vacina intramuscular. A inovação foi desenvolvida por pesquisadores Universidade de Stanford e da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill (UNC-Chapel Hill) e testada em animais.

O estudo realizado pelos cientistas e publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences mostra que a resposta imune da vacina adesivo de microagulhas foi 50 vezes maior do que a vacina administrada sob a pele, e 10 vezes maior do que a vacina aplicada no músculo do braço. Os resultados são possíveis porque a pele está cheia de células do sistema imunológico que são o público-alvo do imunizante.

O adesivo, quadrado com 1 cm de lado, foi aplicado na pele e pressionado pelo polegar por dois segundos. Depois disso, ele foi deixado colado à pele por 24h.

Os autores do trabalham acreditam que a resposta imunológica intensificada pode levar à redução da quantidade de imunizante, com a vacina adesivo usando uma dose menor para gerar uma resposta imunológica semelhante à de uma vacina administrada com agulha e seringa.

Na visão de Joseph M. DeSimone, principal autor do estudo, e professor de medicina translacional e engenharia química na Universidade de Stanford e professor emérito da UNC-Chapel Hill, a nova tecnologia vai estabelecer uma base para o desenvolvimento global ainda mais rápido de vacinas que são aplicadas sem dor e sem gerar ansiedade.

Esta inovação abre caminho para uma nova geração de imunizantes menos invasivos e que podem ser autoadministrados, diminuindo o sofrimento de quem tem medo de agulha.

Vacina Clover

Os estudos de fase 3 da vacina Clover, da fabricante chinesa Sichuan Clover Biopharmaceutical, mostraram 100% de eficácia contra casos graves e hospitalização para qualquer cepa circulante do novo coronavírus. A eficácia contra casos leves e moderados foi de 84% — sendo de 79% para Delta e 92% para Gama, as variantes que circulam no Brasil.

A pesquisa, que começou em março passado, foi realizada com 30 mil voluntários em cinco países, em quatro continentes, incluindo o Brasil. Os resultados já foram enviados à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A coordenadora dos testes no Brasil, Sue Ann Costa Clemens, ressalta que além da alta eficácia o destaque da nova vacina é atuar contra as variantes que mais preocupam.

“Isso é importante porque, no geral, as vacinas foram desenvolvidas para mostrar eficácia contra a cepa original. Todos os casos positivos que surgiram ao longo do estudo foram sequenciados e não foi detectado nenhum da cepa original, em nenhum país. Isso mostra que essa ela foi substituída a nível mundial em apenas um ano”, afirma Clemens.

Dos casos positivos, 38% foram provocados pela variante Delta, 25% pela MU, 9% pela Gama e 8% pela beta, entre outros.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Fita com música nunca lançada de John Lennon é vendida por 314 mil reais em leilão na Dinamarca
Facebook anuncia uma pausa no desenvolvimento do Instagram Kids, versão do aplicativo para crianças menores de 13 anos
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play