Terça-feira, 16 de julho de 2024

Um avião em chamas e só três saídas de emergência: como 379 pessoas foram salvas em Tóquio

Quando a aeronave da Japan Airlines derrapou e parou violentamente após colidir com outro avião na pista do Aeroporto Haneda, em Tóquio, a tripulação de cabine enfrentou um cenário assustador.

O sistema de comunicação entre a cabine de pilotagem e a cabine de passageiros tinha quebrado, um dos motores gigantes ainda estava girando e não podia ser desligado, e apenas três das oito saídas de emergência estavam disponíveis para sair da aeronave, enquanto as chamas consumiam a carcaça coberta de querosene.

No final, todos os 367 passageiros e 12 tripulantes saíram vivos do Airbus A350. Dadas as probabilidades, a fuga é ainda mais notável. A saída de todos os passageiros com segurança foi o resultado do design moderno das aeronaves, da tripulação qualificada e — não menos importante — dos passageiros que preservaram a calma e seguiram as regras.

Os aviões modernos devem ser capazes de fazer com que todos os passageiros e tripulantes deixem a aeronave em apenas 90 segundos, utilizando apenas metade do número de saídas disponíveis. Os ocupantes da Japan Airlines conseguiram em ainda menos tempo. Um comissário de bordo decidiu rapidamente abrir uma porta de emergência na parte traseira do avião para ajudar mais pessoas a escapar pelos escorregadores de emergência, de acordo com autoridades do governo.

Os fabricantes de aeronaves treinam saídas rápidas para obter a certificação, e a regra dos 90 segundos existe há décadas depois que os reguladores determinaram que as aeronaves modernas podem resistir estruturalmente a uma explosão por pelo menos esse tempo. Até o gigante Airbus A380, com a complicação adicional de duas cabines de comando completas, conseguiu esvaziar com alguns segundos de sobra.

Imagens de dentro do avião da Japan Airlines mostraram que a fumaça havia entrado na cabine e que alguns passageiros seguravam máscaras para facilitar a respiração. Ainda assim, o clima estava consideravelmente calmo, enquanto as pessoas atravessavam a cabine mal iluminada em direção às saídas disponíveis. A aeronave estava operando quase com capacidade total – o Airbus da Japan Airlines está configurado para acomodar 369 passageiros, e o voo tinha apenas dois assentos livres.

Embora a investigação pretenda determinar o motivo de nem todas as portas terem sido usadas para a retirada das pessoas, algumas saídas podem ter sido danificadas pela colisão com a outra aeronave, ou os comissários de bordo e a tripulação decidiram que os motores em chamas colocariam os passageiros em perigo. O procedimento operacional padrão no caso de uma saída de emergência exige que a tripulação de cabine verifique qualquer perigo externo ou incêndio perto de cada porta.

O mais importante é que os passageiros deixaram a bagagem de mão no avião. Embora esse seja um requisito de segurança frequentemente repetido em caso de evacuação, desastres passados mostraram que algumas pessoas em fuga tendem a tentar pegar os seus pertences pessoais. Isso, por sua vez, cria gargalos perigosos enquanto os comissários de bordo gerenciam o controle do fluxo, inclusive ajudando os passageiros a saltar corretamente para os escorregadores de emergência – de preferência sem uma bolsa grande ou um estojo de laptop amarrado ao pescoço.

Uma vez lá fora, as pessoas não estavam totalmente fora de perigo. O gigante motor Rolls-Royce na asa direita ainda estava girando, e a aeronave foi encharcada em querosene depois de ter esmagado o De Havilland Canada Dash 8 abastecido, operado pela guarda costeira japonesa. Cinco das seis pessoas a bordo do avião menor morreram no impacto, enquanto o capitão sobreviveu.

Em poucos minutos, os primeiros caminhões de bombeiros chegaram e começaram a espalhar espuma. No entanto, o caos causado pelas equipas de resgate que se aproximam rapidamente e pelos passageiros em fuga também pode representar um risco à segurança. Em 2013, um jovem passageiro que foi ejetado do voo 214 da Asiana Airlines acidentado em São Francisco foi atropelado por pelo menos um caminhão de bombeiros enviado para resgatar sobreviventes.

Um porta-voz da Airbus disse que todos os jatos da fabricante apresentam certo nível de resistência ao fogo e integridade estrutural em caso de incêndio externo. O Airbus A350 é feito em grandes partes de materiais compósitos de carbono, que o fabricante afirma terem um nível de resistência ao fogo semelhante ao alumínio tradicionalmente usado.

Os bombeiros acabaram deixando a aeronave queimar por não haver mais risco de vida, procedimento denominado “modo defensivo” para manter a segurança dos bombeiros. Na manhã dessa quarta-feira tudo o que restava do Airbus A350 era uma carcaça carbonizada, com ambas as asas ainda praticamente intactas. A algumas centenas de metros da pista, o outro avião estava destruído e irreconhecível.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Desafios do governo: como foi o 1º ano de Lula na economia e o que esperar para 2024
“A democracia é intocável, o Supremo não permitirá impunidade”, afirma o ministro Alexandre de Moraes
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play