Segunda-feira, 15 de agosto de 2022

União Europeia compra mais vacinas após aumento de casos de monkeypox, a varíola dos macacos, na região

A Comissão Europeia anunciou, nessa segunda-feira (18), a compra de 54.530 doses adicionais da vacina contra a varíola dos macacos. A aquisição de mais unidades do imunizante acontece em meio a um aumento de aproximadamente 50% dos casos nos países da União Europeia (UE) em apenas uma semana.

A comissária de saúde do bloco, Stella Kyriakides, afirmou estar “preocupada com o número crescente de casos” na região. A Europa é a região mais afetada do mundo pela doença, com mais de sete mil casos confirmados até o dia 14 de julho, segundo dados do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC).

“Temos agora mais de sete mil casos na União Europeia, ou seja, um aumento de cerca de 50% desde a semana passada”, alertou Stella.

Com a nova compra, que faz parte do contrato firmado pelo bloco com o laboratório dinamarquês Bavarian Nordic, o número de doses compradas até agora chega a 163.620, de acordo com o comunicado emitido pela UE.

Os países imunizam pessoas consideradas de maior risco para a doença, como contatos próximos de contaminados, trabalhadores de saúde e homens gays, bissexuais e que fazem sexo com outros homens. Embora todas as pessoas possam ser contaminadas, as autoridades de saúde chamam a atenção que esse público representa a grande maioria dos diagnósticos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), já são mais de nove mil pessoas contaminadas com a varíola dos macacos em 63 países. No Brasil, já foram mais de 300 diagnósticos identificados pelo Ministério da Saúde.

Apesar do avanço da doença, o comitê responsável da OMS decidiu por não declarar ainda emergência de saúde pública de alcance internacional, status atribuído à covid, em reunião realizada no último dia 23. No entanto, frente aos casos crescentes, o grupo fará um novo encontro nesta semana e pode reavaliar a decisão.

Doença

Apesar do nome, a doença viral não tem origem nos macacos, apenas foi identificada pela primeira vez nesses animais. A transmissão pode ocorrer através do contato com animal ou humano infectado.

A transmissão pode ocorrer pelas seguintes formas:

— Por contato com o vírus: com um animal, pessoa ou materiais infectados, incluindo através de mordidas e arranhões de animais, manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. Ainda não se sabe qual animal mantém o vírus na natureza, embora os roedores africanos sejam suspeitos de desempenhar um papel na transmissão da varíola às pessoas.

— De pessoa para pessoa: pelo contato direto com fluidos corporais como sangue e pus, secreções respiratórias ou feridas de uma pessoa infectada, durante o contato íntimo – inclusive durante o sexo – e ao beijar, abraçar ou tocar partes do corpo com feridas causadas pela doença. Ainda não se sabe se a varíola do macaco pode se espalhar através do sêmen ou fluidos vaginais.

— Por materiais contaminados que tocaram fluidos corporais ou feridas, como roupas ou lençóis;

— Da mãe para o feto através da placenta;

— Da mãe para o bebê durante ou após o parto, pelo contato pele a pele;

— Úlceras, lesões ou feridas na boca também podem ser infecciosas, o que significa que o vírus pode se espalhar pela saliva.

Os principais sintomas da varíola dos macacos são: febre, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, gânglios (linfonodos) inchados, calafrios e exaustão.

Geralmente, de um a três dias após o aparecimento da febre, o paciente desenvolve uma erupção cutânea, que costuma começar no rosto e se espalha para diversas partes do corpo. As lesões passam por cinco estágios antes de cair, segundo o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.

Além disso, o período de incubação da monkeypox varia de seis a 13 dias.

Pacientes com suspeita da doença devem ficar em isolamento, em um local com boa ventilação natural. É recomendado que ambientes comuns, como banheiro e cozinha, fiquem com janelas abertas. Caso more com outras pessoas, deve-se usar a máscara cirúrgica bem ajustada e protegendo a boca e o nariz.

Além disso, é importante que o paciente lave as mãos várias vezes ao dia, preferencialmente com água e sabonete líquido. Se possível, deve usar toalhas de papel descartável para secá-las.

Quem estiver com suspeita também não compartilhar alimentos, objetos de uso pessoal, talheres, pratos, copos, toalhas ou roupas de cama. Os itens só podem ser reutilizados após higienização.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

“Muito dopada”, diz mulher atendida por anestesista que está preso
Na Europa, ondas de calor avançam e milhares de moradores deixam suas casas na França
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play