Sexta-feira, 19 de agosto de 2022

Na Europa, ondas de calor avançam e milhares de moradores deixam suas casas na França

O Reino Unido decretou emergência nacional e pela primeira vez emitiu um alerta de calor “extremo vermelho” – uma precaução a mais enquanto a onda de calor que varreu países da Europa continental se desloca para o norte e ainda provoca incêndios florestais de grandes proporções e centenas de mortes. Apenas em Portugal e Espanha, a estimativa é de que por volta de 600 pessoas tenham morrido em decorrência do calor.

Em um país conhecido pelo clima temperado e o céu constantemente nublado, a subida histórica da temperatura interrompeu o cotidiano dos britânicos. Serviços de trem foram cancelados ou passaram a funcionar em velocidade reduzida por temor de que o calor pudesse causar instabilidade nos trilhos.

Autoridades pediram às pessoas que usassem o transporte público apenas se necessário e recomendaram que as pessoas trabalhassem de casa nessa segunda e terça-feira (19). Enquanto isso, hospitais e lares de idosos temem os efeitos do calor em pacientes mais velhos e vulneráveis, uma vez que muitos prédios não têm ar-condicionado.

Incêndios

Em toda a Europa, o custo humano da onda de calor é cada vez mais visível. Milhares de pessoas estão sendo retiradas de regiões afetadas por incêndios florestais em Espanha, França e Portugal, enquanto grande parte do norte da Itália permanece em estado de emergência por uma das piores secas em décadas.

Autoridades espanholas encontraram o segundo corpo em dois dias enquanto lutam contra um incêndio florestal na província de Zamora, no noroeste do país. O corpo de um criador de ovelhas de 69 anos foi encontrado nessa segunda, na mesma área montanhosa em que um bombeiro de 62 anos morreu um dia antes. Modelos do Instituto Carlos III estimam que mais de 350 pessoas morreram como em consequência do calor no país na semana passada.

A França reforçou o combate aos incêndios florestais com o envio de 200 bombeiros e três aviões-tanque adicionais, enquanto uma mudança de direção nos ventos continuava a espalhar o fogo e colocar novas regiões do país em alerta. Autoridades do sudoeste da França anunciaram planos para a retirada de mais de 3,5 mil pessoas que correm o risco de entrar no raio das chamas.

Os dois incêndios florestais gigantescos, que destruíram 55 km² de floresta de pinheiros secos apenas na semana passada, já forçaram cerca de 16 mil pessoas a serem retiradas de suas casas. Cerca de 1,7 mil bombeiros de toda a França foram mobilizados na região de Gironde, uma área costeira ao redor de Bordeaux, para tentar conter as chamas. Cerca de 10 ficaram levemente feridos.

Em meio à grave crise enfrentada pelos países europeus, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou que a humanidade está enfrentando o risco de um “suicídio coletivo” caso nada seja realizado de fato.

“Metade da humanidade está na zona de perigo, de inundações, secas, tempestades extremas e incêndios florestais. Nenhuma nação está imune. No entanto, continuamos a alimentar nosso vício em combustíveis fósseis”, afirmou Guterres durante um encontro com líderes de 40 países que se reuniram em Berlim (Alemanha) para discutir os efeitos das mudanças climáticas em meio aos efeitos da Guerra na Ucrânia.

Despreparo

Especialistas apontam que a atual onda de calor pode ser um fenômeno comum daqui para frente em países de clima comumente mais ameno. De acordo com o pesquisador Nikos Christidis, pesquisador do Met Office do Reino Unido, a expectativa dos cientistas é de que mudanças climáticas tornem eventos de calor extremo mais frequentes.

No debate político doméstico, a questão ainda é colocada em segundo plano. Enquanto o país se preparava para os desafios impostos pelo calor extremo, os cinco candidatos que participam da corrida eleitoral para suceder Boris Johnson como premiê mal comentaram as questões climáticas em um debate exibido pela TV no domingo (17), demonstrando maior preocupação em reduzir custos de energia aos consumidores.

O Reino Unido não está preparado para o calor. Poucas casas têm ar-condicionado e, em vez disso, elas são tradicionalmente construídas para reter calor. A infraestrutura do país também não está adaptada às temperaturas mais altas. Equipes de manutenção espalharam areia em estradas para evitar que o asfalto derretesse.

Depois que uma onda de calor matou cerca de 15 mil pessoas na França em 2003, as casas de repouso francesas desenvolveram planos de emergência. Muitos deles agora estão equipados com salas com ar-condicionado, ventilação adicional ou sprinklers que resfriam as fachadas dos edifícios.

Em Paris, as autoridades da cidade incentivam moradores e turistas a usarem um site dedicado para encontrar mais de 900 “ilhas de frescor”, que incluem parques urbanos, cemitérios, piscinas e museus. O site também aponta para “rotas de resfriamento” dedicadas – por exemplo, ruas com árvores exuberantes – que conectam esses espaços. Outras cidades francesas contam com dispositivos de nebulização.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

União Europeia compra mais vacinas após aumento de casos de monkeypox, a varíola dos macacos, na região
Menina de 11 anos foi mantida pelo padrasto em cárcere por dois anos e teve um bebê
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play