Domingo, 07 de agosto de 2022

Menina de 11 anos foi mantida pelo padrasto em cárcere por dois anos e teve um bebê

A menina de 11 anos vítima de um estupro – e que teve um bebê após passar os últimos dois anos em cárcere privado – não compreendia o que se passava com ela. No caso, a gravidez. A informação é da delegada Fernanda Fernandes, titular da Delegacia de Atendimento à Mulher de Duque de Caxias (Deam-Caxias), que investiga o caso e prendeu o padrasto da criança, que é suspeito do crime.

Pelas informações que teve do Hospital Adão Pereira Nunes, em Caxias, onde a menina segue internada, a polícia também soube que a criança aparentava muito medo. Esse foi um dos motivos que levaram à Deam-Caxias a solicitar medida protetiva contra a mãe e o padrasto da vítima.

Os investigadores pretendem ouvir a criança assim que a unidade de saúde liberar a menor. Também de acordo com a polícia, a menina não sabe ler nem escrever por ter passado os últimos dois anos em situação de cárcere privado. A suspeita é de que ela sofria abusos durante o período.

O caso

Policiais civis da Deam-Caxias prenderam o padrasto da criança por suspeita de estupro e cárcere privado a própria enteada, de 11 anos.

A investigação constatou que a vítima passou ao menos os últimos dois anos presa em casa. Durante esse tempo, ela engravidou e o bebê nasceu na semana passada, quando a polícia começou a investigar o caso. A delegada Fernanda Fernandes disse que a menina só foi levada para a unidade de saúde porque, provavelmente, houve complicações no pós-parto.

“Eles [padrasto e mãe da menina] tiveram que solicitar auxílio do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) porque deve ter tido alguma complicação. Os dois foram para o hospital e nós recebemos uma ligação”, detalhou Fernanda Fernandes.
Ouvido pela polícia, o casal alegou que a menina foi estuprada por um homem armado há mais ou menos 9 meses. Aos agentes da Deam, padrasto e mãe disseram que a criança não tinha barriga e, supostamente, eles só souberam da gravidez no dia do parto.

A suspeita dos investigadores é de que a criança era mantida escondida por sofrer sucessivos abusos do padrasto. Inclusive, a investigação apontou que o parto da menina ocorreu em casa.

O padrasto da menina, suspeito de estuprá-la, foi detido pelos agentes da Deam-Caxias próximo ao Hospital Adão Pereira Nunes, onde ela e o bebê a que deu a luz estão. Antes de conseguir a prisão temporária do padrasto, a polícia solicitou à Justiça medidas protetivas para a menor.

Segundo explicação da delegada, a mãe da menina não foi presa, mas também é investigada. Inicialmente, por abandono intelectual, já que a criança não vai para a escola há dois anos.

Estupros recorrentes

A partir de informações do hospital, os investigadores descobriram que o ânus da criança foi violentado e havia cicatrizes de violências anteriores. Para a polícia, os abusos podem ter iniciado antes mesmo da gravidez. Isso levou os agentes a suspeitarem que os estupros eram recorrentes e cometidos por pessoas próximas do convívio familiar da criança, já que testemunhas apontaram que a menina praticamente não era vista saindo de casa.

Ao ser ouvido pela primeira vez pelos agentes, o padrasto concordou em fazer um exame de DNA, mas quando uma equipe da polícia foi à casa dele, o homem mudou de ideia. Ele justificou dizendo que precisaria conversar com a esposa, mãe da vítima, o que causou estranheza nos policiais.

A prisão do padrasto foi autorizada pelo plantão judiciário e ele foi detido próximo ao hospital, quando segundo a polícia tentava visitar a criança. Ele ficará preso temporariamente, por 30 dias, enquanto as investigações avançam.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Na Europa, ondas de calor avançam e milhares de moradores deixam suas casas na França
Casos crescem rapidamente e médicos brasileiros ligam o sinal de alerta para a varíola dos macacos
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play