Sexta-feira, 19 de agosto de 2022

Casos crescem rapidamente e médicos brasileiros ligam o sinal de alerta para a varíola dos macacos

Apesar da disseminação da varíola dos macacos não ser tão agressiva quanto a covid, médicos brasileiros já ligaram o sinal de alerta para a doença. O Ministério da Saúde confirmou mais de 350 casos no País.

“A doença em si não é uma doença grave, é uma doença muito chata, estigmatizada, porque você pode ter lesões na face, no corpo, então você demostra que está infectado. Porém, se esse vírus começa a atingir gestantes, crianças, isso pode sim se tornar casos mais graves e de transmissão de mãe pra recém nascido”, alertou a infectologista Rosana Ricthmann.

A transmissão da doença acontece por meio de contato físico, sexual ou com objetos contaminados. O público mais atingido são homens que possuem relações sexuais com outros homens. Especialistas pedem para não estigmatizarem a doença.

“Essa é a população que tem demonstrado maior número de casos, mas isso em absoluto significa que vai ficar restringido a essa população. Por isso que é fundamental a gente alertar toda a população, de uma maneira geral, no sentido de cuidados.

Vale lembrar que já existem vacinas para combater a monkeypox, porém, a produção ainda é baixa e a matéria prima não está disponível no Brasil. Por isso, a melhor forma de prevenção é informação e atenção aos sintomas.

“A estratégia é você tomar cuidado, especialmente no contato sexual, contato com pessoas que estão com sintomas dessa doença, pra tentar fazer o diagnóstico precoce, fazer o isolamento… o isolamento é importante porque quando você isola você barra a cadeia de transmissão”, explicou o infectologista Álvaro Furtado da Costa.

Além do Brasil, outros 44 países registraram casos da varíola dos macacos. E o primeiro caso do ano foi confirmado no início de maio, no Reino Unido.

Os principais sintomas da varíola dos macacos são: febre, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, gânglios (linfonodos) inchados, calafrios e exaustão.

Geralmente, de um a três dias após o aparecimento da febre, o paciente desenvolve uma erupção cutânea, que costuma começar no rosto e se espalha para diversas partes do corpo. As lesões passam por cinco estágios antes de cair, segundo o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos.

Além disso, o período de incubação da monkeypox varia de seis a 13 dias.

Pacientes com suspeita da doença devem ficar em isolamento, em um local com boa ventilação natural. É recomendado que ambientes comuns, como banheiro e cozinha, fiquem com janelas abertas. Caso more com outras pessoas, deve-se usar a máscara cirúrgica bem ajustada e protegendo a boca e o nariz.

Além disso, é importante que o paciente lave as mãos várias vezes ao dia, preferencialmente com água e sabonete líquido. Se possível, deve usar toalhas de papel descartável para secá-las.

Quem estiver com suspeita também não compartilhar alimentos, objetos de uso pessoal, talheres, pratos, copos, toalhas ou roupas de cama. Os itens só podem ser reutilizados após higienização.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Menina de 11 anos foi mantida pelo padrasto em cárcere por dois anos e teve um bebê
Saiba por que o dólar está puxando para baixo a economia global
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play