Domingo, 25 de fevereiro de 2024

A cada três brasileiros fora do mercado de trabalho, dois são mulheres; dados mostram que a pandemia afetou mais as trabalhadoras

Três anos após o início da pandemia, as mulheres ainda sentem mais o impacto no mercado de trabalho. O número de adultas fora da força de trabalho no fim de 2022 foi o dobro do de homens, cuja participação já voltou ao patamar pré-pandemia. Elas ainda estão atrás dos números anteriores a 2020 porque foram as mais atingidas pelo desemprego e têm maior dificuldade de voltar a trabalhar.

O desafio é maior para mães de crianças de até 5 anos, revela uma pesquisa da Sociedade de Economia da Família e do Gênero (Gefam), com base em dados da Pnad Contínua, do IBGE.

O estudo mostra como os efeitos econômicos da covid foram sentidos de forma desigual entre os gêneros. A pandemia interrompeu uma tendência de maior inserção feminina na vida profissional, e a recuperação foi mais rápida para os homens.

No fim de 2022, 26,1 milhões de adultas estavam excluídas do mercado, enquanto o número de homens à margem era de 12,7 milhões, menos da metade do contingente feminino.

A População Economicamente Ativa (PEA) — pessoas com ou em busca de alguma ocupação formal ou informal — de homens em 2019 era de 55,5 milhões. Com a pandemia, baixou para 51,7 milhões em 2020, uma queda de quase 7%. No ano passado, superou o patamar pré-pandemia e atingiu 55,8 milhões.

Entre as mulheres, a queda foi de 12%, de quase 45 milhões em 2019 para 39,5 milhões em 2020. O indicador ainda não voltou ao nível anterior à pandemia. Ficou em 44,6 milhões no ano passado, aponta o estudo.

A população considerada fora da força de trabalho é aquela que não está ocupada e sequer busca emprego. O principal motivo alegado por mulheres para desistirem de procurar trabalho é a carga de afazeres domésticos. Em 2022, quase 44% das que se afastaram do mercado de trabalho disseram que precisaram ficar em casa. Entre os homens, esse índice foi de apenas 10%.

O cenário é ainda pior para mães solo com filhos pequenos, muitas vezes as únicas responsáveis pela renda de subsistência de suas famílias. A participação desse grupo no mundo profissional vinha aumentando desde 2015, mas voltou a cair. Era de 62% antes da pandemia.

No segundo trimestre de 2020, no início das medidas de isolamento, apenas 53% delas conseguiam trabalhar. No fim do ano passado, esse índice ainda não havia se recuperado. Era de cerca de 60%.

Marianne Carvalho era bartender em um hotel na Praia do Forte, na Bahia, mas foi demitida logo no início da pandemia. Em agosto de 2020, mudou-se para o bairro da Vila Sônia, em São Paulo. Não conseguiu mais reingressar definitivamente no mercado de trabalho. Com um filho asmático de 6 anos para cuidar, ela conta que buscou uma vaga por quase dois anos, mas acabou desistindo no ano passado:

“A primeira pergunta que eles fazem quando vão te contratar é se você tem filho pequeno. A maioria das mulheres hoje não consegue voltar (a trabalhar) por causa disso, porque desclassificam a gente logo por causa das crianças.”

Sobrecarga materna

Mãe solo, Marianne diz que às vezes, consegue dividir os cuidados com a criança com sua mãe, avó do menino, e faz alguns bicos. O pai do filho manda alguma ajuda. Mas ela quer voltar a ter a própria renda. A dificuldade aumentou no ano passado, quando Marianne teve um acidente vascular cerebral (AVC) e um infarto.

“Tenho cursos de confeitaria, assistente administrativo e capacitação em RH. Quero voltar a procurar trabalho depois que os médicos me liberarem”, planeja.

A taxa de desemprego apurada pelo IBGE, que mede somente a população que procura trabalho mas não encontra, também foi maior entre as mulheres na pandemia e vem demorando mais para cair que a dos homens. Em 2020, o índice alcançou 19% entre elas e 13% entre eles.

A recuperação do patamar pré-pandemia para os homens ocorreu já na metade de 2021, caindo para 10%. Para as mulheres, a melhora ocorreu apenas no início de 2022, ficando em 14%.

“A sobrecarga recai sobre a mãe. As escolas ficaram muito tempo fechadas no Brasil, e as mães solo têm uma rede de apoio menor. Além disso, uma parcela grande das mulheres trabalhava com serviços, eram empregadas domésticas, cabeleireiras. São serviços que foram fechados e demoraram mais para reabrir”, analisa a economista Lorena Hakak, professora da UFABC e presidente do GeFam.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Amigo de Lula indicado para ministro do Supremo faz romaria por gabinetes de Brasilia
Com aval de senadores do partido de Bolsonaro, maioria da Comissão de Constituição e Justiça declara que votará para aprovar indicação do amigo de Lula ao Supremo
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play