Sábado, 25 de junho de 2022

loader

Alemã que participou do Estado Islâmico é condenada a dez anos de prisão por deixar uma criança morrer de sede

A Justiça da Alemanha condenou a dez anos de prisão uma cidadã do país que integrou no Iraque o grupo extremista Estado Islâmico. Conforme a sentença, pronunciada nesta segunda-feira (25), Jennifer Wenisch, 30 anos, cometeu diversos crimes de guerra e assassinatos, dentre os quais o fato de contribuir para que uma menina morresse de sede.

O processo começou em abril de 2019 e é um dos primeiros no mundo para lidar com os crimes de guerra cometidos contra esse grupo populacional. Jennifer é de Lohne, na Região Noroeste da Alemanha. Ela viajou ao Iraque para se reunir com “os irmãos”, argumentou em depoimento à Promotoria.

Durante vários meses, ela integrou a polícia de Fallujah e Mossul, onde participava da patrulha armada. Essa força de segurança controlava, sobretudo, o respeito às regras de vestimentas e comportamentos estabelecidas pelos extremistas.

De acordo com a acusação, em 2015 a alemã e seu então marido, Taha Al-Jumailly, “compraram” uma menina de 5 anos e sua mãe (ambas da minoria curda yazidi, perseguida por extremistas do Iraque e da Síria) que eram prisioneiras do Estado Islâmico. Objetivo: explorar as duas como escravas.

Após vários abusos, a menina foi castigada pelo marido de Jennifer, por ter urinado em um colchão. Na sequência, foi amarrada a uma janela do lado de fora da casa, a uma temperatura de quase 50°C. A menina morreu de desidratação.

A mãe da criança ainda foi obrigada a permanecer trabalhando para o casal. A versão foi contestada pela mãe da criança, que hoje vive em um local não revelado da Alemanha. Testemunha-chave, a sobrevivente foi ouvida durante os julgamentos dos ex-cônjuges.

Os advogados, assim como os de Taha Al-Jumailly, sugeriram que a menina poderia ter sobrevivido se tivesse sido levada para um hospital em Fallujah. Acusada de ter permitido a ação do companheiro sem intervir, Jennifer Wenisch declarou na audiência que tinha medo de ser “empurrada ou trancada”.

Prisão e extradição

“Eu me tornei um exemplo de tudo que aconteceu sob o Estado Islâmico. É difícil imaginar que isso seja possível em um Estado de direito”, desculpou-se Jennifer, como forma de defesa, durante uma das últimas audiências, relatou o jornal “Süddeutsche Zeitung”.

A alemã foi detida por forças de segurança da Turquia em janeiro de 2016, na cidade de Ancara, quando tentava entrar com a filha de 2 anos em territórios ainda controlados pelo Estado Islâmico na Síria. O passo seguinte foi a extradição para a Alemanha e a transferência para um centro de detenção, em junho de 2018.

Quando estava em prisão domiciliar antes da extradição, ela chegou a tentar fugir, mas acabou revelando detalhes de sua vida no Iraque a um motorista que, na realidade, era informante do FBI (a polícia federal norte-americana). Ele gravou a fala de Jennifer e o áudio foi decisivo para a acusação.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Pelo menos dez assassinatos foram registrados nas última semanas na fronteira com o Paraguai e facção brasileira é suspeita
Pesquisa mostra que o tempo médio de duração de uma empresa caiu de 61 para 22 anos nas últimas décadas
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play