Domingo, 21 de abril de 2024

Aos 101 anos, primeira pessoa vacinada contra covid no Rio Grande do Sul recebe a dose bivalente

Primeira pessoa contemplada com vacina contra covid no Rio Grande do Sul, em janeiro de 2021, a aposentada porto-alegrense Eloina Gonçalves Born recebeu nesta sexta-feira (17) o imunizante bivalente, que protege contra diferentes variantes do coronavírus. Ela tem 101 anos e vive em um lar de idosos, perfil de instituição cujos residentes e trabalhadores fazem parte do grupo prioritário da nova versão do fármaco.

A anciã é mais velha dos 24 moradores do estabelecimento, todos com idade superior a 80 anos. E estava na maior animação ao ser conduzida até a sala-de-estar onde a equipe volante da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) aplicava as injeções. Durante a aplicação da dose (a quinta em dois anos), posou sorridente na poltrona para o fotógrafo da prefeitura.

“Eu gosto de me vacinar, e quem não fizer vai se arrepender, até porque não dói nada”, brincou Dona Eloína, esbanjando sorrisos. “Desde o início da pandemia, não tive covid em nenhum momento. Nem me gripei.”

Ampliação

Desde a quinta-feira (16), as 497 prefeituras gaúchas já estão autorizadas a iniciar nos postos a aplicação do imunizante de qualquer pessoa com idade a partir de 70 anos. A prioridade continua para os idosos de asilos e similares, mas se houver excedente de doses do imunizante o segundo grupo poderá ser incluído.

Considerando-se que a campanha em âmbito nacional começará oficialmente no dia 27 e que o sistema de informações do Ministério da Saúde só poderá ser abastecido com os respectivos dados a partir de então, recomenda-se que o município restrinja a um máximo de dois postos o fornecimento do fármaco, que protege contra diferentes versões do coronavírus.

“Quanto antes a população dessa faixa etária receber a vacina, maior a proteção individual e coletiva, ou seja”, ressalta a titular da SES, Arita Bergmann. Ainda segundo ela, é fundamental que os municípios mantenham esse registro interno, para que as doses aplicadas sejam devidamente contabilizadas na cobertura vacinal da população gaúcha e registrada no sistema federal.

Até agora, a pasta já recebeu e distribuiu 257,5 mil doses da bivalente. A expectativa, de acordo com o cronograma do Ministério da Saúde, é de que o Rio Grande do Sul conte com um total de 1,2 milhão de doses até o dia 1º de março. Depois, a entrega periódica do imunizante continuará de acordo com um cronograma ainda não definido.

Grupo por etapa

– Fase 1: indivíduos a partir dos 70 anos, moradores e trabalhadores de instituições de longa permanência, pessoas com baixa imunidade e membros de comunidades indígenas, ribeirinhas e quilombolas.

– Fase 2: pessoas de 60 a 69 anos de idade.

– Fase 3: gestantes e puérperas.

– Fase 4: trabalhadores da área da Saúde.

– Fase 5: indivíduos com deficiência permanente.

Esquema de aplicação

O esquema vacinal é de uma dose da versão bivalente – como reforço – para quem apresenta ao menos o esquema primário com monovalentes (duas doses de Coronavac, Oxford e Pfizer ou aplicação única da Janssen).

Já o intervalo para doses de reforço com vacinas bivalentes é de quatro meses da aplicação do esquema primário (básico) ou da última dose de reforço com vacina monovalente.

Indivíduos não classificáveis entre os grupos prioritários para vacina bivalente e que ainda estão com esquema incompleto de proteção contra covid (incluindo quem ainda não recebeu qualquer dose) a orientação continua a mesma: se dirigir a uma unidade de saúde pública para iniciar ou integralizar a imunização com fármacos monovalentes.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de coronavírus

Porto Alegre tem diversas opções gratuitas de lazer para quem fica na cidade durante o Carnaval
Bolsonaro garante a aliados que não se vacinou contra a Covid-19 e cogita processar o ministro da Controladoria-Geral da União
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play