Domingo, 25 de fevereiro de 2024

Candidatos gastaram seis vezes mais com cabo eleitoral e ‘santinho’ do que com mídias sociais

No Congresso, há um antigo ditado segundo o qual a campanha eleitoral consiste em “três esses”: santinho, saliva e sola de sapato. A julgar pelos gastos apresentados pelos candidatos à Justiça Eleitoral, a máxima continua válida: os materiais impressos são o tipo de despesa que mais consumiu verbas das campanhas, acompanhados pelos cabos eleitorais – pessoas que ficam nas ruas agitando bandeiras dos postulantes, ou distribuindo panfletos com as propostas.

Juntos, esses dois custos das campanhas somam R$ 1,54 bilhão. O montante é mais do que seis vezes o total contratado pelos candidatos para impulsionar conteúdo em redes sociais, como o Instagram, o Facebook e o YouTube (R$ 257 milhões).

Mau uso de verbas

Além da campanha tradicional, as Eleições de 2022 repetem o mesmo roteiro dos últimos anos de mau uso das verbas do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), o chamado Fundão Eleitoral. Há, por exemplo, dezenas de candidatos que gastaram todo o dinheiro apenas com a contratação direta de cabos eleitorais; dezenas de cabos eleitorais com rendimentos acima de R$ 50 mil; e empresas prestando serviços sem relação com suas funções.

É o caso de um candidato a deputado federal do MDB do Amapá, que pagou R$ 80 mil a uma empresa de dedetização para que fizesse a identidade visual de sua campanha. Os dados são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a partir de declarações preenchidas pelos próprios candidatos. É provável que o gasto com cabos eleitorais seja maior que o tabulado pelo tribunal, pois muitas campanhas incluíram parte dos pagamentos aos militantes de rua em outras categorias – como a de “despesas com pessoal”, que inclui também profissionais como fotógrafos, cinegrafistas e outros.

Depois dos materiais impressos e dos gastos com pessoal e serviços de terceiros, vêm as categorias de “atividades de militância e mobilização de rua”, com R$ 536 milhões contratados; produção de programas de rádio e TV (R$ 445,2 milhões); adesivos (como os usados em carros – R$ 365 milhões); advogados (R$ 256,9 milhões). A locação de veículos fecha a lista, com ao menos R$ 172,6 milhões.

Executivos

A rubrica inclui pelo menos R$ 24,2 milhões gastos com jatinhos – os maiores dispêndios foram do governador de São Paulo Rodrigo Garcia (PSDB), com R$ 2,3 milhões; e dos presidenciáveis Ciro Gomes (PDT), de R$ 2, 04 milhões; Soraya Thronicke (R$ 1,7 milhão) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), também de R$ 1,7 milhão. O atual presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), usa voos da Força Aérea Brasileira (FAB) e não precisou contratar táxi aéreo para a campanha.

A cientista política especialista em comunicação Deysi Cioccari diz que o Brasil ainda é um país que se informa por meios tradicionais. “A gente tem essa mania de perceber o Brasil como se fosse só a Avenida Paulista. Nos esquecemos daquilo que chamam de ‘Brasil Profundo’. O sertão, os pampas, o interior do Centro Oeste. Esse pessoal não olha Twitter, não olha o Facebook. A informação deles é muito pelo rádio, pela televisão, pelo contato cara a cara”, diz ela.

“Isso explica um pouco essa persistência da campanha analógica. Tenho amigos que trabalham com assessoria de imprensa (para políticos) em Brasília. E eles lidam o tempo todo com rádio, com TVs locais, etc. O Brasil literalmente não é só as capitais. É um Brasil onde a conversa ainda é no bairro, na porta de casa, no mercado. Dentro do que eu estudo, esses números fazem sentido”, diz a analista.

Maiores gastos

Eleger-se para a Câmara dos Deputados não foi barato em 2022: em média, os 513 candidatos bem sucedidos gastaram R$ 1,209 milhão cada, sendo que a 442 candidatos declararam ter contratado despesas acima deste valor. No “top 5″ das maiores despesas declaradas até agora na disputa pela Câmara, apenas um postulante não se elegeu.

A lista de maiores despesas declaradas é encabeçada pelo deputado Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), com R$ 3,28 milhões; o ex-ministro da Educação Mendonça Filho (União-PE), com R$ 3,2 milhões; o deputado Felipe Carreras (PSB-PE), que declara despesas de R$ 3,1 milhões; e Alice Portugal (PCdoB-BA), com gastos de R$ 3,08 milhões. Todos foram eleitos.

O quinto lugar pertence ao candidato não eleito com os maiores gastos: o deputado estadual e empresário Braulio Braz, do PTB de Minas Gerais. Com despesas calculadas em pouco mais de R$ 3 milhões, Braz usou dinheiro do Fundo Eleitoral repassado por sua legenda e aportou cerca de R$ 300 mil do próprio bolso. Teve 68,6 mil votos – mais que alguns candidatos que conseguiram a vaga, como o ex-ministro do Turismo de Bolsonaro Marcelo Álvaro Antônio, do PL (31 mil votos).

Abaixo do mineiro na lista de gastos está Daniela Maia, filha do ex-prefeito do Rio César Maia e irmã do ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia. Com despesas de R$ 3,02 milhões, ela teve pouco menos de 22 mil votos – ou R$ 137,9 por sufrágio. Os deputados federais são o cargo com o maior gasto: são 1,8 bilhão em despesas contratadas, de acordo com os registros recebidos pelo TSE – o valor é mais que o dobro da segunda disputa que mais consumiu recursos, a dos deputados estaduais, com despesas contratadas de R$ 913,2 milhões. Em seguida vêm os cargos de governador (R$ 579,4 milhões), senador (238,4 milhões), presidente (182,8 milhões) e deputado distrital (R$ 24,6 milhões) – cargo equivalente a deputado estadual no Distrito Federal.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Avião da Seleção Polonesa é escoltado por caças após queda de míssil russo
Governador reeleito de Minas, que coordenou campanha de Bolsonaro no estado no segundo turno, critica comunicação do governo federal, sobretudo na pandemia
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play