Domingo, 25 de fevereiro de 2024

Cinco cuidados necessários antes de usar a Inteligência Artificial na educação

A Inteligência Artificial (IA) vem cada vez mais sendo aplicada nas mais diversas áreas, e a Educação não poderia ficar de fora. Enquanto há os que defendam que recorrer à tecnologia facilite a absorção de conteúdos, outros veem as novidades com visão mais conservadora, questionando até mesmo se o excesso de recursos não pode até mesmo dificultar o aprendizado.

“As tecnologias que a IA proporciona permitem simular comportamentos humanos relacionados à inteligência, tais como o raciocínio, solução de problemas, percepção e até mesmo a tomada de decisões, mesclando o conhecimento humano ao artificial. Apesar de muitos acreditarem que a IA é um assunto restrito à ficção científica, ela já é uma realidade presente em diversas áreas, inclusive na educação, apresentando diversos benefícios e desafios para os alunos e professores”, avalia o professor de Química e influenciador Michel Arthaud, da Plataforma Ferretto, voltada para a preparação para o Enem e vestibulares.

Alunos se interessam mais quando há IA

A personalização do ensino é um dos pontos mais importantes para a absorção de conteúdos. Com o uso da Inteligência Artificial, os alunos tendem a se interessar mais pelos tópicos abordados, havendo uma disposição para compreender as disciplinas e ampliando as frentes de conhecimento.

Ainda sim, o seu uso tem sido alvo de intensos debates ao redor do mundo, principalmente por aqueles que acreditam que as habilidades humanas serão cada vez mais substituídas.

“É inegável que a tecnologia deve ser aproveitada no aprendizado, mas alguns cuidados são necessários para que o método tradicional não seja 100% colocado de lado”, pondera Arthaud.

Quatro pontos para se ficar atento

1. Reprodução de desigualdades

No Brasil, o uso da Inteligência Artificial pode criar uma desigualdade entre aqueles que têm acesso à tecnologia e aqueles que não têm, o que pode perpetuar a exclusão educacional. Além disso, a tecnologia pode ser projetada para atender às necessidades de certos grupos ou indivíduos, deixando outros de fora.

“Atualmente, grande parte das tecnologias educacionais são utilizadas no setor privado, e o que não queremos que aconteça, é a exclusão do setor público em mais uma camada. O uso de IA na educação é sim importante, mas é preciso garantir que todos os alunos tenham as mesmas oportunidades de acesso”, destaca o docente.

2. Dificuldade em identificar plágio

É comum que os alunos façam pesquisas e se inspirem em textos disponíveis na internet ao realizar um trabalho solicitado pelo professor. Entretanto, o problema é quando em uma tentativa de economizar tempo, o estudante copia todo o material acessado e entrega como se fosse autoral, resultando em plágio.

“O Chat GPT, ferramenta baseada em IA, é um dificultador desse processo. Existem softwares antiplágio que verificam as semelhanças entre os textos localizados na internet e os ditos autorais, se o material foi criado a partir da tecnologia mencionada, muito provavelmente não será identificado”, explica Arthaud.

3. Desenvolvimento de habilidades essenciais

Com o avanço da Inteligência Artificial, os alunos podem acabar tendo deficiências no desenvolvimento das habilidades necessárias para o aprendizado, como: leitura, interpretação de textos, escrita e compreensão.

“A IA pode impactar diretamente na absorção de conhecimento e competências dos alunos. Isso acontece pois o sistema gera automaticamente um plano de estudos, facilitando o modo de pesquisa de campo. É importante haver um equilíbrio entre o estudo tradicional e tecnológico, para que todas as capacidades sejam desenvolvidas de forma correta”, recomenda ele.

4. Falta de contato pessoal

Por mais que a IA seja uma revolução na educação, tanto para os professores, quanto para os alunos, é válido considerar que os planos de ensino podem ser afetados de forma direta ou indireta.

“A tecnologia reduz o tempo de planejamento para a criação de uma aula, assim como pode reduzir o período de aprendizado dos alunos. Quando as aulas são lecionadas de forma presencial, os professores têm um contato direto com seus alunos, conseguindo sanar dúvidas e questionamentos que surgem durante as explicações. Com o uso da IA essa interação diminui. Ou seja, os professores e alunos ganham por um lado, mas acabam perdendo por outro”, finaliza o professor.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Tecnologia

Ronaldo Fenômeno negocia venda de 20% da Sociedade Anônima do Futebol do Cruzeiro
Conheça uma técnica simples para ser usada durante o sono para melhorar a disposição no dia seguinte
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play