Terça-feira, 18 de junho de 2024

Conselho Nacional de Justiça aprova criação de concurso para juiz

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou a resolução que estabelece o Exame Nacional de Magistratura, nesta terça-feira (14). A aprovação da prova, por unanimidade, será um requisito prévio necessário para que o candidato dispute os concursos da magistratura dos tribunais. O certame será conduzido pela Escola Nacional da Magistratura.

Ou seja, os tribunais continuam com autonomia para os concursos locais, mas a inscrição nestes processos seletivos vai depender da aprovação prévia no Exame Nacional.

“É um exame prévio de habilitação, sem retirar a competência dos tribunais de realizarem seus próprios exames”, afirmou o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do CNJ.

Barroso informou ainda que a a intenção é uniformizar o nível de conhecimento dos juízes.

“Estou muito feliz com a aprovação do Exame Nacional de Magistratura, uma ideia que defendo de longa data. Vamos uniformizar o nível de conhecimento dos magistrados, vamos aferir melhor as vocações e eliminar quaisquer insinuações de favorecimentos que, justa ou injustamente, apareciam aqui e ali”, completou.

De acordo com a resolução, a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) e a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento dos Magistrados do Trabalho (Enamat) vão formar a comissão de concurso, que terá ainda a participação de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

O Exame Nacional da Magistratura terá prova objetiva com 50 questões, abordando os seguintes assuntos:

direito constitucional (8 questões)
direito administrativo (6 questões)
noções gerais de direito e formação humanística (6 questões)
direitos humanos (6 questões)
direito processual civil (6 questões)
direito civil (6 questões)
direito empresarial (6 questões)
direito penal (6 questões)

O exame tem caráter apenas eliminatório. Serão aprovados os candidatos que tiverem pelo menos 70% de acertos na prova objetiva, ou, no caso de candidatos autodeclarados negros ou indígenas, ao menos 50% de acertos. O exame será feito pelo menos uma vez por ano, de forma simultânea nas capitais de todos os Estados da Federação e no Distrito Federal. A aprovação na prova tem validade de dois anos – dentro deste período, o comprovante de aprovação será usado para que o candidato tente vaga nos concursos dos tribunais.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Justiça espanhola confirma acusação de agressão sexual contra Daniel Alves e jogador irá a julgamento
Deputados aprovam por unanimidade o reajuste do vale-refeição dos servidores do Executivo gaúcho
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play