Domingo, 21 de abril de 2024

Entenda o que é a demência frontotemporal, doença que afeta o ator Bruce Willis

Com a carreira em pausa desde abril do ano passado devido à afasia (distúrbio de linguagem que afeta a capacidade de comunicação), o ator norte-americano Bruce Willis, 67 anos, teve um novo diagnóstico revelado por sua família, na semana passada: demência frontotemporal, que afeta de forma significativa o comportamento e a personalidade mas mantém relativamente preservado o funcionamento cognitivo. Afinal, qual a diferença entre essa forma de demência e as demais?

Em geral, os quadros de demência envolvem um grupo de doenças que acaba comprometendo a habilidade cognitiva do indivíduo, principalmente na terceira idade. Usualmente, 50% dos diagnósticos, em termos de prevalência, estão relacionados com doença de Alzheimer, que tem características marcantes e importantes.

“Clinicamente se refletem como alteração, inicialmente, de memória, de atenção, de orientação temporal espacial e questões visuoconstrutivas”, explica Fernando Pinto Gomes, neurocirurgião e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Ainda segundo ele, uma porcentagem muito menor é atribuída à demência frontotemporal: “Cerca de 1,7% a 2% dos pacientes são acometidos. É bem mais raro que o Alzheimer e geralmente acomete indivíduos com idade entre 45 e 65 anos. Não há predisposição maior para homens ou mulheres”.

Doença hereditária

Existe uma correlação com a questão hereditária. Ou seja, filhos de pessoas que tiveram demência frontotemporal têm uma maior chance de serem diagnosticados com a doença.

Relação com Alzheimer

Diferentes do que ocorre no Alzheimer, as manifestações comportamentais são as que mais chamam a atenção no quadro de demência frontotemporal. O indivíduo geralmente apresenta sinais e sintomas que correspondem ao mau funcionamento dos glóbulos frontais. No caso da demência frontotemporal, a evolução do quadro clínico também é mais rápida que no caso de pacientes com Alzheimer.

Sintomas da doença

Os sintomas estão relacionados à mudança – muitas vezes drástica – de comportamento e da personalidade do paciente, assim como podem refletir em problemas com a linguagem.

“A pessoa pode, por exemplo, apresentar um certo grau de desinibição, uma compulsão alimentar por doces, uma inadequação social, problemas ligados com relacionamento, falta de juízo e falta de crítica”, diz o especialista. Por este motivo, inicialmente, os pacientes e familiares procuram um psiquiatra e não um neurologista.

Existe uma variante da demência frontotemporal relacionada à afasia, primeiro diagnóstico do ator. “É como se a pessoa perdesse a habilidade de se comunicar. Começa a ter dificuldade para nomear objetos, pessoas e articular uma oração ou frase. Também tem dificuldade para entender o contexto de uma conversa”, diz o professor.

Processo de diagnóstico

Após a avaliação médica com informações sobre o estado de saúde do paciente, o médico poderá solicitar uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética para ajudar no diagnóstico da doença.

“Além disso, quando a gente faz teste de perfusão, é possível verificar se há uma hipoperfusão, ou seja, uma falta de chegada do sangue a estas regiões, com consequente interpretação da perda dos neurônios nestas regiões”, afirma Gomes.

Doença tem cura

É uma doença neurodegenerativa e incurável. Geralmente, o tratamento instituído é multidiciplinar. Envolve uma reabilitação neuropsicológica, com apoio da fonoaudiologia. Se houver também uma patologia dupla (incomum, mas que pode acontecer), a pessoa tem a hidrocefalia de pressão normal, algo comprovável com a retirada de liquor e alteração de continência urinária), pode ser realizada cirurgia – pela doença associada e não pela demência frontotemporal.

Medicamentos usados para doença de Alzheimer e Mal de Parkinson não funcionam para pacientes com demência frontotemporal. “Já os remédios que têm a ver com a serotonina podem funcionar, ajudando no funcionamento dos glóbulos frontais, muitas vezes tratando também sintomas relacionados com a depressão, falta de motivação e a própria compulsão”, afirma.

Variações mais comuns

– Variante comportamental: chama mais atenção pelas alterações de comportamento. A pessoa fica desinibida e não consegue se controlar. Afeta a personalidade do paciente.
– Demência semântica: a pessoa não consegue mais compreender as coisas que já compreendia anteriormente, embora possa ter preservadas a atenção e a memória. Tem dificuldade para dar nome aos objetos e entender discursos.
– Afasia progressiva não fluente: caracteriza-se principalmente pela alteração lenta e progressiva da habilidade de falar.

Cuidados familiares

Dependendo da característica comportamental do paciente, familiares podem auxiliar. Se a pessoa apresenta comportamento agressivo, não está medicada e não existe orientação, podem ocorrer situações desagradáveis.

Deixar objetos cortantes perto do paciente é algo a ser evitado, assim como protetores em escadas e janelas. Por isso, é importante ter o tratamento multidisciplinar. Pessoas com comportamento agressivo, quando é o caso, são medicadas.

Quando o paciente consegue ter noção do que está acontecendo, pode desenvolver outros transtornos psiquiátricos, como quadro de depressão. “Você tem a noção de que nunca mais será quem você foi antes”, detalha o neurocirurgião da USP.

Doença inevitável

Como há questão genética envolvida, se a doença tiver que se manifestar, nada irá impedir que isso aconteça. Mas um estilo de vida mais saudável pode resultar em impacto mais brando. Alimentação, exercício e contato social estão entre os fatores apontados como saudáveis pelos pesquisadores. Estudo chinês foi realizado ao longo de uma década

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Últimas

Sofisticação e muito brilho: maquiadora fala de tendências para o Carnaval
Congresso emenda Carnaval: comissões e votações devem voltar só em março
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play