Segunda-feira, 15 de julho de 2024

“Estamos extraordinariamente preocupados com o que pode acontecer lá”, diz diplomata da União Europeia sobre a situação no Sul de Gaza

A União Europeia (UE) está “extremamente preocupada” com a situação em Rafah, disse o diplomata mais graduado do bloco, Josep Borrell, na segunda-feira (12).

A situação com o Egito (país que faz fronteira com a região de Rafah) é muito tensa e estamos extraordinariamente preocupados com o que pode acontecer lá”, disse ele.

Mais de 100 pessoas foram mortas em ataques aéreos israelenses na cidade de Rafah, no sul de Gaza, informou a organização humanitária Sociedade do Crescente Vermelho Palestino (PRCS, na sigla em inglês) na manhã desta segunda.

As Forças de Defesa de Israel (FDI) confirmaram nesta segunda-feira que conduziram “uma série de ataques” contra alvos na área de Shaboura, um distrito de Rafah, afirmando num comunicado que “os ataques foram concluídos”.

Os comentários vêm num momento em que os ministros da UE se reúnem para discutir o conflito Israel-Hamas, bem como as acusações contra a Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados da Palestina (UNRWA , na sigla em inglês), a principal agência da ONU que trabalha no atendimento aos palestinos.

Em janeiro, o governo de Israel acusou alguns membros da UNRWA de envolvimento nos ataques terroristas do Hamas em 7 de outubro, embora poucos detalhes tenham sido divulgados para apoiar estas alegações.

“As alegações [devem] ser verificadas”, disse Borrell. “A presunção de inocência é válida para todos, a qualquer momento, mesmo para a UNRWA.”

“Não é segredo que o governo israelense quer se livrar da UNRWA”, continuou o diplomata. “Vamos esperar que a investigação aconteça.”

Borrell disse que “muitos” ministros da UE lhe escreveram para ele pedir que Israel pare de impedir que a ajuda humanitária chegue a Gaza.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Rei da Jordânia se reúne com presidente dos Estados Unidos para reforçar necessidade de cessar-fogo em Gaza
Forças Armadas vão avaliar punição de militares somente após julgamento no Supremo
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play