Segunda-feira, 17 de junho de 2024

Governo da Guiana pede reunião do Conselho de Segurança na ONU

O governo da Guiana formalizou um pedido de reunião ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) para discutir a situação na região de Essequibo. A solicitação foi feita pela representação do país junto às Nações Unidas e agora será analisada pelo Equador, país que ocupa a presidência rotativa do conselho em dezembro.

Logo, cabe ao Equador marcar uma data para que os quinze países-membros se reúnam. Normalmente, esses pedidos costumam ser atendidos em questão de dias. Uma das principais funções do Conselho de Segurança é justamente se reunir em caso de urgência. Por isso, o órgão pode ser acionado a qualquer hora e em qualquer dia da semana.

Na reunião, os países-membros devem ouvir mais sobre a situação na região e, a partir disso, discutir quais medidas podem ser tomadas. Os representantes podem propor resoluções ou comunicados conjuntos que atuam como uma forma de pressão internacional sobre os líderes dos países.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, divulgou o “novo mapa” do país com a incorporação da região de Essequibo, na Guiana. Ele determinou que o mapa seja publicado e levado para escolas e universidades.

Na terça-feira (5), Maduro propôs à Assembleia Nacional da Venezuela a criação de uma lei para a criação da província “Guiana Esequiba”, anexando o território que pertence à Guiana.

“Imediatamente, ordenei publicar e levar a todas as escolas, colégios, Conselhos Comunitários, estabelecimentos públicos, universidades e em todos os lares do país o novo mapa da Venezuela com a nossa Guiana Esequiba. Esse é o nosso querido mapa”, publicou Maduro nas redes sociais. A nova versão do mapa também já foi incluída em artes que ilustram órgãos governamentais da Venezuela.

Em entrevista para a Globo News, o presidente da Guiana, Irfaan Ali, afirmou esperar que o Brasil seja um líder na manutenção da paz na América do Sul.

“Nós esperamos que o Brasil tenha um papel de liderança, um papel significativo em garantir que essa região se mantenha… O que a Guiana quer, a única ambição da Guiana é que essa região se mantenha uma região de paz e estabilidade, onde todos nós podemos coexistir em harmonia”, disse Ali.

O chefe da Guiana salienta sentir apoio do Brasil ao país e classifica a resposta do governo brasileiro ao impasse como “muito madura”. No último final de semana o presidente Lula disse esperar que ambos os lados tenham “bom senso”.

“Como você sabe, antes do referendo eu tive uma ligação com o presidente Lula. O presidente Lula e o governo brasileiro mandaram uma equipe de enviados para a Venezuela para conversar com o presidente Maduro. Nós vemos o governo brasileiro tomando medidas para garantir seu território”.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Cesta básica fica mais cara em novembro em nove capitais do País
Justiça Eleitoral afirma que há indícios de que blitze da Polícia Rodoviária Federal atrasaram eleitores no 2º turno das eleições 2022
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play