Terça-feira, 23 de julho de 2024

Haddad nega ter sido convidado para assumir Ministério da Fazenda do novo governo

 

Cotado para assumir o Ministério da Fazenda, Fernando Haddad (PT), ex-prefeito de São Paulo, afirmou que não recebeu convite do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para comandar a pasta. “Fui convidado exclusivamente para interagir com o grupo de economia que fez a transição até aqui. Não recebi nenhum outro convite”, disse ele a jornalistas, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde ocorre a transição de governo.

Segundo Haddad, Lula pediu que ele encontre os economistas que fazem parte do grupo de transição, como Nelson Barbosa, Guilherme Mello e Gabriel Galípolo, “para me apropriar desses assuntos”.

“Estou autorizado pelo presidente para interagir com os integrantes do grupo de economia”, disse.

PEC da Transição

O ex-ministro da Educação também falou sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Transição e, segundo ele, é “uma questão, transitória, entre muitas outras sobre as quais a área econômica [do governo eleito] vai ter que se apropriar”.

“Quem vai pilotar o ministério, que vai ser convidado pelo presidente Lula, vai ter que efetivamente se apropriar dessa questão. Que é uma questão, transitória, entre muitas outras sobre as quais a área econômica vai ter que se apropriar”, disse a jornalistas no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde está sendo realizada a transição de governo.

Ele, que é cotado para assumir o Ministério da Fazenda, afirmou que falava apenas como “colaborador” do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), “para dar opiniões sobre como acho que deve caminhar esse assunto”, referindo-se à PEC e à questão fiscal. “Mas vou fazer isso reservadamente, pela confiança que o presidente deposita em mim ao longo desses anos todos, de poder colaborar com ele, com o governo dele, da maneira que eu acho mais adequado”, disse.

Ele afirmou que não sabe se o ministro da Fazenda será anunciado nesta semana e disse que “não cabe” a pergunta se estava preparado para o cargo. “Com qualquer resposta, você constrange o presidente Lula, que vai compor a sua equipe”, afirmou.

Segundo Haddad, quanto mais Lula e o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) “estiverem interagindo com as forças políticas do país, quanto mais livres eles estiverem para compor as suas equipes, tanto melhor para o país”.

Por fim, disse que participou da reunião realizada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), na última sexta-feira (25), como representante de Lula. “Eu deixei claro isso quando declinei do convite de ir à Febraban como pessoa física e fui na condição de representante do presidente Lula, depois que ele me ligou pedindo que o representasse”, afirmou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Câmara aprova projeto com medidas para aumentar proteção das mulheres contra violência
Justiça Eleitoral diz que diplomação de Lula será no dia 12 de dezembro
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play