Domingo, 19 de maio de 2024

Hamas diz que não tem 40 reféns para libertar em acordo de cessar-fogo com Israel

O Hamas indicou que atualmente não é capaz de identificar e rastrear 40 reféns israelenses necessários para a primeira fase de um acordo de cessar-fogo. As informações são da CNN. Há temores de que mais reféns possam estar mortos do que se sabe.

O quadro que foi estabelecido pelos negociadores diz que durante uma primeira pausa de seis semanas nos combates, o Hamas deve libertar 40 dos reféns restantes, incluindo todas as mulheres, bem como homens doentes e idosos. Em troca, centenas de prisioneiros palestinos seriam libertados das prisões israelenses.

O Hamas disse aos mediadores internacionais – que incluem o Catar e o Egito – que não tem 40 reféns vivos que correspondam aos critérios de libertação, disseram as duas fontes.

A incapacidade – ou falta de vontade – do Hamas de dizer a Israel quais reféns seriam libertados, vivos, é um grande obstáculo, acrescentou a segunda fonte. Com o Hamas parecendo ser incapaz de chegar a 40 nas categorias propostas, Israel pressionou o grupo a preencher a libertação inicial com reféns masculinos mais jovens, incluindo soldados, disse a autoridade israelense.

Ao longo dos meses de negociações desde o último cessar-fogo, Israel pediu repetidamente uma lista dos reféns e suas condições. O Hamas argumentou que eles precisam de uma pausa nos combates para poder rastrear e reunir os reféns, o mesmo argumento que eles fizeram em novembro antes de uma pausa de uma semana que quebrou depois que o Hamas não conseguiu entregar mais reféns.

Acredita-se que a maioria dos quase 100 reféns que permanecem vivos sejam soldados das Forças de Defesa de Israel ou homens em idade de reserva militar. Espera-se que o Hamas tente usá-los em fases posteriores para tentar negociar concessões mais significativas, incluindo mais prisioneiros de alto nível e um fim permanente da guerra.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Justiça da Espanha nega recurso e mantém Daniel Alves em liberdade condicional
“Temos dois anos para salvar o planeta”, afirma o chefe de Clima da ONU
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play