Quarta-feira, 19 de junho de 2024

Hamas teve apoio e recebeu armas e treinamento do Irã, dizem autoridades e analistas

Os terroristas palestinos por trás do ataque surpresa do fim de semana contra Israel começaram a planejar o atentado há pelo menos um ano, com o apoio fundamental de aliados iranianos que forneceram treinamento militar e ajuda logística, bem como dezenas de milhões de dólares em armas, disseram na segunda-feira atuais e antigos funcionários da inteligência do Ocidente e do Oriente Médio.

Embora o papel exato do Irã no atentado de sábado não tenha ficado claro, o ataque refletiu a ambição de Teerã, que já dura anos, de cercar Israel com legiões de combatentes paramilitares armados com sistemas de armas cada vez mais sofisticados, capazes de atacar profundamente o Estado judeu.

O Hamas, a organização militante palestina com sede em Gaza que liderou o ataque, historicamente tem mantido um grau de independência de Teerã em comparação com os verdadeiros grupos representantes iranianos, como o Hezbollah, com sede no Líbano.

No entanto, nos últimos anos, o Hamas se beneficiou de grandes injeções de dinheiro iraniano, bem como de ajuda técnica para a fabricação de foguetes e drones com sistemas de orientação avançados, além de treinamento em táticas militares – alguns dos quais ocorreram em campos fora de Gaza.

Sem provas

Autoridades americanas e israelenses disseram que, até o momento, não têm provas concretas de que o Irã tenha autorizado ou coordenado diretamente o ataque que matou mais de 900 israelenses e feriu milhares. No entanto, funcionários atuais e antigos da inteligência disseram que o ataque tinha características de apoio iraniano e observaram que Teerã se vangloria publicamente das enormes somas em ajuda militar fornecidas ao Hamas nos últimos anos.

“Se você treina pessoas para usar armas, espera-se que elas acabem usando”, disse um funcionário da inteligência ocidental que pediu anonimato. O funcionário e um segundo analista ocidental com acesso a informações confidenciais disseram que a análise realizada após o ataque apontava para muitos meses de preparação por parte do Hamas, com início em meados de 2022.

Em entrevistas, ao menos 12 analistas de inteligência e especialistas militares expressaram espanto com a furtividade e a sofisticação do atentado do Hamas, que envolveu ataques coordenados através da fronteira israelense por centenas de homens armados que viajavam por terra, mar e ar – incluindo parapentes motorizados. A ofensiva terrestre foi acompanhada por enxames de foguetes e drones que começaram a cruzar a fronteira no início do sábado, atingindo alvos com um grau de precisão nunca visto em ataques anteriores do Hamas.

Embora o grupo palestino tenha uma milícia capaz e linhas de montagem próprias para foguetes e drones, um ataque da escala de sábado teria sido extremamente desafiador sem uma ajuda externa considerável, disseram os analistas.

“A quantidade de treinamento, logística, comunicação, pessoal e armas necessárias deixa uma pegada evidente”, disse Marc Polymeropoulos, ex-oficial sênior de operações da CIA que atuou em funções de contraterrorismo no Oriente Médio. “Isso sugere o envolvimento iraniano, dada a complexidade do ataque, e destaca a falha colossal da inteligência de Israel.” O uso de parapentes – que lembra um ataque cinematográfico de 1987 da Frente Popular para a Libertação da Palestina em Israel que matou vários soldados – “certamente exigiu treinamento fora de Gaza”, disse Polymeropoulos.

Teerã nega

Teerã negou um papel direto no ataque de sábado, ao mesmo tempo em que elogiou os militantes do Hamas que o executaram. “Não estamos envolvidos na resposta da Palestina, pois ela é tomada exclusivamente pela própria Palestina”, disse a missão de Teerã nas Nações Unidas em um comunicado divulgado na segunda-feira. Mas outras autoridades iranianas comemoraram publicamente o ataque, destacando sua estreita relação com o Hamas.

“Vocês realmente deixaram a Ummah islâmica feliz com essa operação inovadora e vitoriosa”, disse a agência de notícias oficial do Irã, IRNA, citando o presidente Ebrahim Raisi, usando a palavra árabe para a comunidade muçulmana em geral.

Embora as Forças de Defesa de Israel tenham dito que não há evidências de envolvimento operacional iraniano no ataque, as táticas usadas estão muito “de acordo com o conceito de operações do Irã”, para criar uma “encruzilhada de fogo” – lançando um ataque a cada poucos meses ou anos para “minar o moral israelense, minar a resiliência israelense” com o objetivo de “minar a viabilidade de longo prazo de Israel”, disse Eisenstadt.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Exército israelense encontra 1.500 corpos de combatentes do Hamas em Israel e na Faixa de Gaza
Brasil recebe 2,3 mil pedidos de ajuda para sair de Israel
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play