Sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024

Inflação da indústria sobe em janeiro e interrompe cinco meses de queda

A inflação da indústria voltou a subir após cinco meses. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os preços de “porta da fábrica” — sem impostos ou frete — subiram 0,29% no mês. Nos últimos 12 meses, o Índice de Preços ao Produtor (IPP) acumula um aumento de 2,24% em 12 meses.

Em janeiro, 14 das 24 atividades industriais pesquisadas apresentaram variações positivas de preço quando comparadas ao mês anterior, acompanhando a variação registrada no índice da indústria geral. Em dezembro do ano passado, 11 atividades haviam apresentado maiores preços médios em relação ao mês anterior.

“O resultado de janeiro vem após um período de cinco meses seguidos de queda, período em que acumulou uma redução de 7,37% no IPP. Esse é o menor resultado positivo desde setembro de 2021 (0,25%). Há uma clara diferença entre as indústrias extrativas e as de transformação. Enquanto as de transformação continuaram com tendência de queda, as extrativas reverteram sete meses consecutivos de redução e tiveram a maior alta dentre todos os setores pesquisados”, explica Murilo Alvim, analista do IPP.

Maior alta

Os atividades industriais responsáveis pelas maiores influências no resultado de janeiro foram as indústrias extrativas (0,42 p.p.), refino de petróleo e biocombustíveis (-0,18 p.p.), bebidas (0,12 p.p.) e alimentos (0,12 p.p.).

Numa comparação entre janeiro de 2023 com dezembro de 2022, os preços do setor de indústrias extrativas variaram, em média, 9,62%. É o primeiro resultado positivo desde maio de 2022, quando assinalou 12,55%. Com o resultado de janeiro, o acumulado em 12 meses ficou em -7,85%, um pouco menos intenso do que o observado no fechamento de 2022, -7,92%. “O minério de ferro foi o principal responsável por essa alta. A cotação do produto no mercado internacional foi afetada pela expectativa de um aumento na demanda, em consequência de uma possível recuperação econômica da China”, acrescenta Alvim.

Com a segunda maior influência no índice de janeiro, os preços no setor de refino de petróleo e biocombustíveis variaram, em média, -1,50%. O resultado foi negativo como o de dezembro (-5,48%), mas de menor intensidade. A variação em 12 meses ficou em 6,99%, menor taxa desde janeiro de 2021 (-1,22%). Houve redução nos valores do óleo diesel e do querosene de avião, produtos derivados do petróleo, além do álcool.

Bebidas e alimentos

Os preços do setor de bebidas, aumentaram 5,30% em relação ao mês anterior, destacando-se como a segunda maior variação do mês e a terceira maior influência dentre as demais atividades. Esse resultado é também a terceira maior variação desde o início da série em 2010 (atrás de outubro de 2015 e setembro de 2014, com 9,57% e 7,08% respectivamente) e a maior variação para o mês de janeiro desta série. Outro fato que chama a atenção é a elevação de 16,54% nos preços do setor, quando comparados com janeiro de 2022. “O produto “cervejas e chopp” exerceu a principal influência no resultado, semelhante ao que ocorreu em janeiro do ano passado. As empresas aproveitam a alta demanda no verão e reposicionam os preços”, destaca Alvim.

Já o setor de alimentos apresentou uma variação média de 0,48%. Com isso, o acumulado em 12 meses, que fechara 2022 em 5,03%, avançou para 5,74%. O aumento dos preços do grupo de laticínios, associado a fatores climáticos que elevaram o custo de produção, e do grupo de fabricação e refino de açúcar, por conta de uma oferta reduzida pelo período de entressafra da cana, juntamente com um aumento da demanda externa pelos produtos, foram os maiores responsáveis por fazer do segmento a quarta maior influência no índice de janeiro.

Pela perspectiva das grandes categorias econômicas, a variação de preços observada na passagem de dezembro de 2022 para janeiro de 2023 repercutiu da seguinte forma: -0,07% de variação em bens de capital; 0,35% em bens intermediários; e 0,28% em bens de consumo, sendo que a variação observada nos bens de consumo duráveis foi de 0,55%, enquanto nos bens de consumo semiduráveis e não duráveis foi de 0,23%.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Ex-sargento da Força Aérea Brasileira preso com cocaína na Espanha quer voltar ao Brasil
Procurador que espancou a chefe é internado após diagnóstico de narcisismo em presídio de São Paulo
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play