Terça-feira, 18 de junho de 2024

Proposta de reestruturação do IPE Saúde é encaminhada para a Assembleia Legislativa gaúcha

O governo do Rio Grande do Sul protocolou na Assembleia Legislativa, no fim da tarde de quinta-feira (18), o projeto para a reestruturação do IPE Saúde (Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do RS). O PLC 259/2023 tramitará em regime de urgência e começará a trancar a pauta de votações do Parlamento em menos de 30 dias.

Segundo o Executivo, a reestruturação do IPE Saúde é necessária para promover o reequilíbrio financeiro e a qualificação dos serviços prestados pelo instituto. No ano passado, o déficit da autarquia chegou a R$ 440 milhões. Além disso, a dívida com fornecedores referente a contas que excedem o prazo contratual de 60 dias totaliza R$ 250 milhões.

O IPE Saúde conta com quase 6,5 mil médicos credenciados em todo o Estado. O convênio é responsável pela assistência médica e hospitalar de quase 1 milhão de servidores estaduais, dependentes e pensionistas.

Na terça-feira (16), o governo do Estado apresentou uma versão atualizada da proposta após reuniões com deputados e entidades representantes dos servidores e dos médicos. Os encontros ocorreram depois da apresentação da proposta inicial, em 17 de abril.

Entre as alterações, está uma trava global que limita a contribuição dos servidores em 12% da remuneração, qualquer que seja o número de dependentes na família. A tabela de contribuição para os dependentes também foi atualizada. Houve uma redução de valores em quase todas as faixas etárias em relação à primeira proposta. A faixa de cobrança para dependentes com menos de 24 anos, de R$ 49,28, foi mantida.

Nas demais faixas, em que os dependentes pagariam 40% do valor de referência para titulares, o percentual foi reduzido para 35%. Pela nova proposta, o dependente sob condição de invalidez ficará na faixa de menor contribuição: R$ 49,28, independentemente da idade.

A proposta do Executivo retoma a alíquota de 3,6% para os titulares (atualmente em 3,1%), índice que era aplicado até 2004. A contribuição paritária do Estado aumenta no mesmo patamar. Para facilitar a compreensão das alterações, um simulador de contribuição do plano principal estará disponível no site do IPE Saúde.

O novo modelo de contribuição somente passará a valer para os titulares na folha salarial seguinte à sanção da lei. Para os dependentes, depois de 90 dias após a sanção.

Médicos

No início deste mês, os médicos credenciados ao IPE Saúde decidiram manter suas atividades paralisadas até o dia 23. Eles também optaram por um licenciamento temporário de 30, 60 ou 90 dias. A categoria reivindica a atualização da tabela de honorários médicos praticada pelo instituto.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Supremo retoma nesta sexta julgamento que pode mudar regra sobre demissão
Em 12 anos, governo federal já validou quase 12 mil diplomas de médicos formados no exterior
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play