Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Visita de Biden à Ucrânia antecipa disputa direta com Putin; leia a análise

A aparição repentina do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, no palácio presidencial de Kiev na manhã desta segunda-feira, 20, teve como objetivo primeiro aumentar a moral dos ucranianos em estado de choque em meio a um inverno sombrio pela falta de energia e uma guerra amarga de atrito.

Mas também foi o primeiro de vários desafios diretos nesta viagem ao presidente Vladimir Putin, que há um ano acreditava que a capital ucraniana se tornaria território controlado pela Rússia novamente em questão de dias, aproximando Putin de seu ambição de restaurar o império de Pedro, o Grande.

“A guerra de conquista de Putin está fracassando”, declarou Biden do palácio, sua própria presença lá, ao lado do presidente Volodmir Zelenski, com o objetivo de simbolizar o fracasso da Rússia em tomar uma capital que hoje continua cheia de vida, seus restaurantes transbordando mesmo como sirenes de alerta soando ao fundo.

A guerra na Ucrânia é sobre o poder e o princípio da soberania territorial, e se a ordem global de design ocidental que os americanos pensaram que prevaleceria por décadas sobreviverá, de fato, aos novos desafios de Moscou e Pequim. Mas é cada vez mais uma disputa entre dois guerreiros envelhecidos, um de 70 anos e outro que acabou de completar 80, que estão circulando um ao outro há anos e agora estão engajados em tudo menos em uma batalha direta.

Biden esteve em Kiev na segunda-feira por menos de seis horas antes que o Serviço Secreto o levasse para fora da cidade. (Notavelmente, a Casa Branca informou ao Kremlin sobre a visita iminente de Biden antes da chegada do presidente, não como uma cortesia diplomática, mas pelo que o conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, chamou de “fins de desconflito” – essencialmente, para evitar uma crise de bombardeios russos, acidental ou não. Sullivan acrescentou: “Não vou entrar em como eles responderam”.)

A natureza secreta da visita a Kiev e as visões de mundo muito diferentes que os discursos representarão ressaltam o grau em que a batalha entre esses dois homens ecoa exatamente o que Biden disse que queria evitar: uma repetição dos piores dias da Guerra Fria.

Conjuntura

Vinte e um meses atrás, quando Biden e Putin se encontraram cara a cara pela única vez desde que Biden assumiu o cargo, esse tipo de relacionamento cauteloso ainda parecia possível. Eles se encontraram no terreno um tanto neutro de Genebra, em uma biblioteca dominada por um enorme globo que parecia um lembrete do fato de que eles estavam, mais uma vez, dividindo o mundo em aliados e adversários. Putin elogiou Biden como “um homem muito equilibrado e profissional” e “muito experiente”. Biden jogou com o ego de Putin no início da cúpula, referindo- se aos Estados Unidos e à Rússia como “duas grandes potências”.

Para Biden, são os ventos políticos em constante mudança dentro dos Estados Unidos que representam a maior vulnerabilidade à sua capacidade de manter o rumo na Ucrânia – já há objeções na extrema esquerda e na extrema direita, embora o núcleo dos republicanos e o apoio democrático se manteve.

Para Putin, a grande preocupação é que as diferentes elites pró-Kremlin de Moscou possam sair da linha se os militares da Rússia continuarem lutando.

Mas até a Rússia admite que há muito em jogo. Dmitri Peskov, porta-voz de Putin, certa vez tratou a guerra como uma pequena operação, um espetáculo secundário sobre o qual os russos comuns não precisavam pensar muito. Agora, essa ficção não pode mais ser contida.

“A operação militar especial afeta toda a nossa vida, a vida do continente, de uma forma ou de outra”, disse Peskov em entrevista à televisão estatal russa transmitida no domingo. “Portanto, deve-se esperar que o presidente dedique muita atenção a isso”. (David E. Sanger e Anton Troianovski/O Estado de S. Paulo)

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Putin diz que a guerra continuará, faz nova ameaça nuclear e afirma ser impossível vencer as tropas russas
Biden se prepara para último confronto simbólico com Putin após viagem à Ucrânia
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play