Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Farinha de mandioca e época de frutas na selva colombiana mantiveram crianças vivas por 40 dias após queda de avião

Quatro crianças indígenas sobreviveram a um acidente de avião na Amazônia que matou três adultos e depois enfrentaram a selva por 40 dias antes de serem encontradas vivas por soldados colombianos, trazendo um final feliz para uma saga de busca e resgate que cativou uma nação e forçou militares e indígenas, normalmente opostos, a trabalharem juntos. A farinha de mandioca e um pouco de familiaridade com as frutas da floresta foram fundamentais para a extraordinária sobrevivência das crianças em uma área onde abundam cobras, mosquitos e outros animais.

Os integrantes do povo Huitoto, de 13, 9 e 4 anos e 1 ano, deverão permanecer no mínimo duas semanas em um hospital recebendo tratamento após o resgate.

Familiares, o presidente Gustavo Petro, autoridades do governo e militares encontraram as crianças no sábado (10) no hospital de Bogotá, a capital. O ministro da Defesa, Iván Velásquez, disse a repórteres que as crianças estão sendo hidratadas e ainda não podem comer. “Mas, em geral, a condição das crianças é aceitável”, disse Velásquez.

Eles viajavam com a mãe da aldeia amazônica de Araracuara para San Jose del Guaviare quando o avião caiu na madrugada de 1º de maio.

O avião monomotor Cessna transportava três adultos e quatro crianças quando o piloto declarou emergência devido a uma falha no motor. A pequena aeronave saiu do radar pouco tempo depois e uma busca por sobreviventes começou.

“Quando o avião caiu, eles retiraram (dos destroços) uma ‘fariña’ e, com ela, sobreviveram”, disse o tio das crianças, Fidencio Valencia, a repórteres fora do hospital. ‘Fariña’ é uma farinha de mandioca que as pessoas comem na região amazônica. “Depois que a ‘fariña’ acabou, eles começaram a comer sementes”, disse Valencia.

O tempo estava a favor das crianças. Astrid Cáceres, chefe do Instituto Colombiano de Bem-Estar Familiar – órgão do governo que coordenou as buscas com os militares – disse que os jovens também puderam comer frutas porque “a selva estava em colheita”.

Um vídeo da força aérea divulgado na sexta-feira mostrou um helicóptero usando cabos para puxar os jovens porque não conseguiu pousar na densa floresta tropical onde foram encontrados.

O general Pedro Sánchez, responsável pelo resgate, disse que as crianças foram encontradas a 5 quilômetros do local do acidente, em uma pequena clareira na floresta. Ele contou que as equipes de resgate passaram de 20 a 50 metros de onde as crianças foram encontradas em algumas ocasiões, mas não conseguiram encontrá-las.

“Os menores já estavam muito fracos”, disse Sanchez. “E certamente a força deles era suficiente apenas para respirar ou alcançar uma pequena fruta para se alimentar ou beber uma gota d’água na selva.” Petro chamou as crianças de “exemplo de sobrevivência” e previu que sua saga “ficará na história”.

Duas semanas após o acidente, em 16 de maio, uma equipe de busca encontrou o avião em um trecho espesso da floresta tropical e recuperou os corpos dos três adultos a bordo, mas as crianças pequenas não foram encontradas.

Sentindo que eles poderiam estar vivos, o Exército da Colômbia intensificou a caçada e levou 150 soldados com cães para a área, onde a névoa e a folhagem densa limitavam muito a visibilidade. Dezenas de voluntários de tribos indígenas também se juntaram à busca.

Medidas:

– Soldados em helicópteros jogavam caixas de comida na selva, esperando que isso ajudasse a sustentar as crianças.

– Aviões sobrevoando a área dispararam sinalizadores para ajudar as equipes de busca no solo durante a noite.

– E os socorristas usaram alto-falantes que transmitiam uma mensagem gravada pela avó dos irmãos dizendo para eles ficarem no mesmo lugar.

O anúncio do resgate ocorreu logo após o presidente Gustavo Petro assinar um cessar-fogo com representantes do grupo rebelde Exército de Libertação Nacional. Em consonância com a mensagem de seu governo destacando seus esforços para acabar com os conflitos internos, ele enfatizou o trabalho conjunto dos militares e das comunidades indígenas para encontrar as crianças.

“O encontro do conhecimento: indígena e militar”, tuitou Petro. “Aqui está um caminho diferente para a Colômbia: acredito que este é o verdadeiro caminho da paz”.

As autoridades elogiaram a coragem da mais velha das crianças, uma menina, que disseram ter algum conhecimento de como sobreviver na floresta tropical e conduziu as crianças através da selva.

As crianças disseram às autoridades que passaram algum tempo com o cachorro, mas ele desapareceu. Era um cão de resgate que os soldados levaram para a selva. Os militares ainda procuravam o cachorro, um pastor belga chamado Wilson, até a manhã de domingo (11).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Ex-assessor de presidente da Câmara dos Deputados deu “apoio operacional” a entregadores de dinheiro em Maceió, diz Polícia Federal
Entenda a real dimensão dos incêndios que afetam o Canadá a levam fumaça aos Estados Unidos
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play