Segunda-feira, 22 de julho de 2024

Mauro Cid desmaiou ao ser preso novamente

O ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), Mauro Cid, desmaiou após saber que voltaria para a prisão por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Conforme o blog da jornalista Natuza Nery, uma fonte disse que socorristas precisaram entrar na sala para ajudá-lo. Cid conseguiu se recuperar.

O militar saiu preso do STF após prestar novo depoimento nessa sexta-feira (22). Segundo o supremo, ele foi detido pelo descumprimento de medidas judiciais e por obstrução de justiça. A Corte não detalhou quais medidas foram descumpridas.

A prisão acontece após o vazamento de áudios em que Cid afirma ter sido pressionado pela Polícia Federal durante os depoimentos. Nos áudios, o militar também faz críticas ao Moraes. As gravações foram divulgadas pela revista Veja na quinta-feira (21).

Antes de ser preso, Cid foi ouvido por cerca de 30 minutos por um juiz auxiliar de Moraes sobre o conteúdo dos áudios revelados pela revista.

Segundo o STF, após o depoimento, Cid foi encaminhado ao Instituto Médico Legal pela Polícia Federal. Também foram expedidos mandados de busca e apreensão na residência do militar.

Mauro Cid está entre o grupo de militares que são conhecidos como “kids pretos” – também chamado de “forças especiais” (FE). Eles são militares da ativa ou da reserva do Exército, especialistas em operações especiais.

Em fevereiro, durante uma operação, o tenente-coronel Guilherme Marques de Almeida, então comandante do 1º Batalhão de Operações Psicológicas em Goiânia, também desmaiou e precisou ser socorrido.

Áudios

Nas gravações divulgadas pela Veja, Cid acusa Moraes, que homologou a delação dele, e agentes da PF de estarem com a “narrativa pronta” – ou seja, de irregularidades ao longo do acordo de colaboração. Segundo Cid, os investigadores “não queriam saber a verdade”.

O advogado de Mauro Cid, Cezar Bittencourt, afirmou ao blog da jornalista Camila Bomfim que os áudios revelam um “desabafo”, já que Cid vive um momento de angústia “pessoal, familiar e profissional”.

“Mauro César Babosa Cid em nenhum momento coloca em xeque a independência, funcionalidade e honestidade da Polícia Federal, da Procuradoria-Geral da República ou do Supremo Tribunal Federal na condução dos inquéritos em que é investigado e colaborador, aliás, seus defensores não subscrevem o conteúdo de seus áudios”, afirmou.

Primeira prisão

O ex-ajudante de ordens foi preso pela primeira vez em maio de 2023, na operação que investiga falsificação de cartões de vacinação de Bolsonaro, parentes e assessores.

Em setembro, após seis meses detido, Cid fechou um acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal, que foi homologado pelo ministro Alexandre de Moraes. Em seguida, foi solto.

No processo de delação, ele prestou uma série de depoimentos que auxiliaram a PF em apurações contra o ex-presidente, como a investigação sobre uma tentativa de golpe de Estado articulada após as eleições de 2022, para impedir a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Na semana passada, Cid foi indiciado junto de Bolsonaro e outras 15 pessoas pela falsificação de cartões de vacina. A PF imputou ao militar os crimes de:

* Falsidade ideológica de documento público;

* Tentativa de inserção de dados falsos em sistema de informações;

* Uso de documento falso;

* Associação criminosa.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Deputado federal cassado, Deltan Dallagnol acusa o Supremo de fazer com o Mauro Cid algo que “nunca aconteceu na Operação Lava-Jato”
Em busca na casa do coronel Mauro Cid, Polícia Federal apreende celulares, computador e documentos
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play