Segunda-feira, 22 de abril de 2024

Musculação reduz pressão arterial, mostra estudo brasileiro; saiba a frequência e carga necessárias

Ter uma rotina com treinos de musculação é uma boa ideia para pessoas com hipertensão arterial. É o que mostra um novo estudo de pesquisadores da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), publicado na revista científica Scientific Reports. Os responsáveis explicam que, embora os impactos na redução da pressão por atividades aeróbicas sejam bem compreendidos, existem poucos trabalhos focados nos exercícios de força.

“As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo e a hipertensão arterial é responsável por 13,8% das mortes causadas por doenças cardiovasculares. As intervenções de treinamento de força podem ser uma importante ferramenta alternativa para o controle da pressão arterial, no entanto, evidências consistentes e o protocolo de treinamento mais eficaz para esse fim ainda não foram estabelecidos”, escreveram os pesquisadores no estudo.

Por isso, o grupo realizou uma revisão da literatura existente sobre o tema, analisando os resultados de 14 estudos que envolveram 253 pacientes diagnosticados com hipertensão arterial. Além de comprovar a eficácia da musculação, o objetivo era identificar a intensidade, o volume e a duração do treinamento associados a melhores desfechos.

O trabalho mostrou que a musculação de fato reduz a pressão, e que esse efeito é mais forte quando o treino é de carga moderada a vigorosa, realizado de duas a três vezes por semana, e com uma duração mínima de oito semanas. Os resultados também mostraram que os benefícios permanecem por mais de três meses (14 semanas) caso a pessoa deixe a atividade de lado.

“Na prática clínica ou até no dia a dia das academias, os profissionais que depararem com um sujeito hipertenso poderão usar o treinamento de força como tratamento não farmacológico para hipertensão arterial, sabendo quais são as variáveis necessárias para que isso seja alcançado e sempre levando em consideração os objetivos da pessoa”, explica Giovana Rampazzo Teixeira, professora do Departamento de Educação Física da Unesp e principal autora do artigo, à Agência Fapesp.

Treinos foram considerados moderados a vigorosos quando a intensidade foi superior a 60% da repetição máxima (RM). O conceito de RM refere-se à maior carga suportada por cada indivíduo durante a execução dos exercícios. Logo, se a pessoa aguenta até no máximo 20 kg, uma carga de 12 kg para cima seria o ideal.

Outro ponto observado que influenciou o potencial da redução da pressão nos pesquisadores foi a idade. Aqueles entre 18 e 50 anos apresentaram efeitos “consideravelmente maiores” em comparação com indivíduos de 51 a 70 anos, escrevem os responsáveis.

Eles explicam que uma das causas são os mecanismos biológicos envolvidos no envelhecimento, como o estresse oxidativo, porém ressaltam que, mesmo com o menor impacto entre os mais velhos, a estratégia é eficaz. “Nossos estudos sustentam a ideia de que o treinamento de força pode ser realizado em qualquer idade, pois mesmo em pessoas mais velhas há benefícios hipotensivos do treinamento de força física”.

O estudo contou ainda com a colaboração da Universidade de São Paulo (USP) e foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Variedades

Xuxa chega aos 60 anos com filmes, série, caravana e shows até 2024
Saiba como manter o corpo hidratado e com energia para as festas de carnaval
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play