Domingo, 25 de fevereiro de 2024

Navios de guerra iranianos: chefe da Assessoria Especial da Presidência reage a pressões e diz que decisão do Brasil “é soberana”

O chefe da Assessoria Especial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ex-chanceler Celso Amorim, reagiu “com tranquilidade” às pressões tanto dos Estados Unidos quanto de Israel contra os navios iranianos atracados na costa brasileira. Segundo ele, a presença dos navios, autorizada pela Marinha do Brasil até 4 de março, “é uma decisão soberana nossa, do Brasil”.

Amorim disse ainda que essa decisão “é consistente com o direito marítimo internacional e com a boa prática diplomática”. Nos primeiros governos de Lula, quando era chanceler, o embaixador articulou com a Turquia uma proposta de acordo para o programa nuclear do Irã, que naufragou na ONU com o voto decisivo dos Estados Unidos e da França. Apesar disso, Brasil manteve boas relações diplomáticas e comerciais com o Irã.

A reação contra a presença do navio iraniano partiu de um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA. Para ele, a decisão brasileira foi “errada”: “Deixamos claro para países relevantes que esses navios não devem atracar em nenhum lugar e, até o momento, o Brasil é o único país do nosso hemisfério que aceitou o pedido de atracação”.

Já a reação de Israel, que é inimigo frontal do Irã, que classifica como “regime maligno”, foi ainda mais dura na condenação à decisão brasileira. Em nota oficial, classificou a presença do navio de guerra iraniano como “perigosa” e “lamentável” e conclamou: “Nunca é tarde demais para ordenar que os navios deixem o porto”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Nas redes sociais, vereador Sandro Fantinel cita “lapso mental” ao falar de baianos
Presidente do PT defende que Juscelino Filho peça saída do Ministério das Comunicações
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play