Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Soldados ucranianos congelam esperma em meio à guerra com a Rússia

Enquanto Vitalii Khroniuk estava deitado de bruços no chão, protegendo-se do fogo da artilharia russa, o soldado ucraniano tinha apenas um arrependimento: nunca ter tido um filho.

Ciente de que poderia morrer a qualquer momento, o jovem de 29 anos decidiu tentar a criopreservação — o processo de congelamento de esperma ou óvulos que alguns de seus colegas estão recorrendo ao enfrentar a possibilidade de nunca mais voltar para casa.

“Não é assustador morrer, mas é assustador quando você não deixa ninguém para trás”, disse Khroniuk.

Durante um recesso em janeiro, ele e sua parceira, Anna Sokurenko, 24, foram a uma clínica particular em Kiev, Ivmed, que está dispensando o custo de US$ 55 (R$ 290) de criopreservação para soldados. A clínica já teve cerca de 100 militares congelando esperma desde a invasão, diz sua médica-chefe, Halyna Strelko. Atualmente, os serviços de concepção assistida para engravidar custam de US$ 800 (R$ 4.175) a US$ 3.500 (R$ 18.260).

O laboratório da clínica tem sua própria fonte de energia reserva que entra em ação durante as frequentes interrupções causadas por ataques de mísseis da Rússia que danificam a infraestrutura elétrica.

A Dra. Strelko, que está no ramo de fertilidade desde 1998, disse que o serviço que está oferecendo aos soldados é particularmente importante agora, apontando para “uma parte muito agressiva desta guerra com perdas massivas”.

As forças russas têm impulsionado seu avanço na cidade de Bakhmut, no leste, com bombardeios e ataques pesados ​​que, acredita-se, produziram perdas massivas de tropas para a Ucrânia e a Rússia. Nenhum dos lados está divulgando o número de baixas.

Consolo

Sokurenko e Khroniuk se casaram alguns dias depois de sua visita à clínica, e agora ele está lutando na região de Chernihiv, perto da fronteira. Ela acredita que a possibilidade de ter um filho, mesmo depois que um parceiro é morto na guerra, pode amenizar a profunda dor da perda.

Nataliia Kyrkach-Antonenko, 37, engravidou enquanto visitava o marido em uma cidade da linha de frente alguns meses antes de ele ser morto em batalha. Antes de morrer, seu marido, Vitalii, voltou para casa para um recesso curto e pôde ver o ultrassom da filha ainda não nascida. Ele também visitou uma clínica de fertilidade para congelar seu esperma.

Kyrkach-Antonenko espera eventualmente ter outro filho usando esse esperma. Ela disse que poder ter os filhos de seu falecido marido “é um apoio incrível”. Ela também vê a criopreservação como uma luta pelo futuro do país.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

China e o apoio militar à Rússia: um jogo de alto risco
Rússia antecipa lançamento de nave para resgatar astronautas na Estação Espacial Internacional
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play