Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Taxas futuras de juros têm nova queda firme no Brasil com perspectiva de início de cortes da Selic

As taxas dos contratos futuros de juros retomaram nesta sexta-feira a trajetória mais recente de queda no Brasil, elevando a perspectiva de início do ciclo de cortes da Selic no futuro próximo, em um ambiente ainda marcado pelos índices de inflação mais fracos divulgados nas últimas semanas.

Na contramão do exterior, onde os rendimentos dos Treasuries sustentavam ganhos, as taxas dos DIs (Depósitos Interfinanceiros) apresentaram queda firme, em especial no contrato para janeiro de 2025, cuja taxa caiu 18 pontos-base.

Por trás do movimento esteve a leitura de que os índices mais recentes de inflação abriram espaço para o Banco Central começar a cortar a taxa básica Selic, atualmente em 13,75% ao ano.

Na última quarta-feira (7), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA subiu 0,23% em maio. Este é o resultado mais fraco desde setembro de 2022 (-0,29%). O dado somou-se a um conjunto de indicadores de inflação que, recentemente, apontaram para o arrefecimento dos preços: IPCA-15, IGP-M e IGP-DI.

Início dos cortes

No mercado financeiro ainda há dúvidas, no entanto, sobre quando exatamente começarão os cortes. Com o movimento dessa sexta-feira, a curva a termo precificava no fim da tarde 18% de chances de o BC cortar a Selic em 0,25 ponto percentual na reunião deste mês. A probabilidade de manutenção é de 82%.

Para a reunião de agosto, a curva precificava cerca de 92% de chances de corte de 0,25 ponto percentual. Os outros 8% precificam manutenção da taxa em 13,75% ao ano.

“A questão dos juros hoje está dentro de uma janela que estamos vivendo, importante no Brasil. O principal ‘drive’ é o processo de desinflação”, comentou o gestor de renda fixa da Kínitro, Maurício Ferraz.

“Os números de inflação estão rodando abaixo do esperado. A perspectiva de que o BC poderia entrar no ciclo de corte de juros no terceiro ou no quarto trimestre deste ano está se materializando, e o mercado está se antecipando cada vez mais a este início de cortes”, acrescentou.

Em análise distribuída a clientes, economistas da XP avaliaram que “alimentos e combustíveis são os principais responsáveis pelo resultado benigno, embora a desinflação tenha sido generalizada entre os itens do IPCA”.

Segundo eles, “esse resultado é consistente com nosso cenário de que o Banco Central iniciará um ciclo gradual de cortes de juros em agosto.”

Taxa do DI

No fim da tarde a taxa do DI para janeiro de 2024 estava em 13,025%, ante 13,096% do ajuste anterior, enquanto a taxa dos Depósitos Interfinanceiros para janeiro de 2025 estava em 11,11,08%, ante 11,262% do ajuste anterior. Entre os contratos mais longos, a taxa para janeiro de 2026 estava em 10,465%, ante 10,635% do ajuste anterior, e a taxa para janeiro de 2027 estava em 10,495%, ante 10,644%.

No exterior, os rendimentos dos Treasuries seguiam em alta no fim da tarde, com investidores à espera de novos dados econômicos e da reunião de Política Monetária do Federal Reserve, na próxima semana.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Com aval de senadores do partido de Bolsonaro, maioria da Comissão de Constituição e Justiça declara que votará para aprovar indicação do amigo de Lula ao Supremo
Lula tem maior aprovação e confiança entre mulheres do que por homens
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play