Sábado, 27 de novembro de 2021

Governo Fernández perde maioria no Senado nas eleições legislativas da Argentina

O presidente Alberto Fernández sofreu um importante revés nas eleições legislativas de meio de mandato na Argentina, realizadas neste domingo (14), em meio à insatisfação generalizada sobre a alta inflação e o aumento da pobreza, com sua coalizão governista perdendo o controle do Senado e ameaçada de perder a posição de maior bloco na Câmara dos Deputados.

Segundo a contagem oficial, a oposição obteve 40,1% dos votos na província de Buenos Aires, maior centro populacional do país, enquanto a coalizão do presidente obteve 38,4%. Juntos pela Mudança também liderou em Santa Fé, Córdoba e na cidade de Buenos Aires, outros distritos com importante peso eleitoral.

A participação na eleição foi de 71%, o menor percentual desde o retorno da democracia. Os eleitores escolheram 127 deputados, representando metade das cadeiras na Câmara dos Deputados, e 24 senadores em oito províncias, o que é um terço da Câmara.

A posse dos novos parlamentares está prevista para dezembro. Será a primeira vez desde 1983 que o peronismo precisará de aliados garantir a aprovação das leis enviadas pelo Executivo, segundo o jornal Clarín.

O triunfo da coalizão de centro-direita Juntos pela Mudança significará duros últimos dois anos de mandato para o presidente, que deve lidar com a aguda crise social e também buscar um acordo de refinanciamento de dívidas com o Fundo Monetário Internacional para estabilizar a economia. Também pode intensificar as divisões dentro da coalizão governante.

Na Argentina, o vice-presidente também tem o cargo de presidente do Senado. Portanto, o cargo é ocupado por Cristina Kirchner. Atualmente, ela consegue controlar, pois a maioria dos senadores é da coligação governista.

“Punição” ao governo

O resultado foi visto como um voto de “punição” contra o governo Fernández pelo desemprego e outras dificuldades que acompanharam uma queda de 10% na economia argentina no ano passado, junto com a contínua alta da inflação.

Mais de 40% dos 45 milhões de habitantes do país vivem na pobreza, o desemprego está perto de 10% e a inflação em outubro atingiu uma taxa anual de quase 42%. María Eugenia Vidal, líder da coalizão de oposição eleita para a Câmara dos Deputados da cidade de Buenos Aires, disse que ficou comovida com o resultado.

“Milhões de argentinos em todo o país disseram ‘chega’… Eles disseram ‘chega’ e derrotaram a tristeza, a frustração, a raiva”, disse Vidal.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Bolsonaro diz a investidores em Dubai que Amazônia “não pega fogo” e “ataques” “não são justos”
Ministro do Supremo proíbe o deputado Daniel Silveira de dar entrevistas sem autorização judicial
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play