Domingo, 25 de fevereiro de 2024

Bolsonaro fica nos Estados Unidos até baixar a poeira

O ex-presidente Jair Bolsonaro Bolsonaro pretende esticar sua estada nos Estados Unidos. Ele foi orientado a cumprir um roteiro de palestras para custear sua permanência. O ex-presidente tem dinheiro para bancar a viagem. Uma lista de palestras, no entanto, o manteria minimamente em evidência, mas a uma distância segura da Justiça e dos efeitos da tentativa de golpe contra o governo e as instituições democráticas.

Antes de extremistas atacarem o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF), a posição da cúpula do PL era a de que Bolsonaro deveria voltar para o Brasil o quanto antes e se empenhar para mobilizar a militância, recuperar o capital político e firmar-se como principal voz de oposição ao governo Lula.

Os ataques aos Três Poderes acabou fortalecendo petista, que conseguiu reunir gregos e troianos em torno da defesa da democracia. Já Bolsonaro acabou com um carimbo de golpista frustrado. Tudo piorou com o encontro da minuta do golpe nos papéis da casa de seu ex-ministro da Justiça, Anderson Torres, que hoje está preso. O silêncio de Torres durante o depoimento aos investigadores não foi um bom sinal para Bolsonaro..

O PL teme que, depois desses episódios, Bolsonaro fique ainda mais perto de se tornar inelegível. Voltar logo para o país, com o clima de fritura em Brasília, poderia solapar qualquer esperança de Bolsonaro voltar às urnas eletrônicas em 2026.

O eleitorado de Bolsonaro rachou. Uma boa parte entendeu que a vida segue e que é preciso enfrentar os fatos. Outra ala se ressentiu de ter sido deixada para trás, pedindo uma intervenção, enquanto o líder embarcava para a Flórida. A parte mais barulhenta dos eleitores é esta que agora “acampou” à força na prisão.

Como não existe vácuo no poder, outros nomes vão crescendo na direita e extrema-direita, como o de Tarcísio de Freitas, governador de São Paulo. Os governadores Romeu Zema, de Minas, e Ratinho Júnior, do Paraná, também vão se mexendo.

Vendas online

A ex-primeira dama Michelle Bolsonaro publicou em sua conta no Instagram uma série de vídeos onde aparece usando e recomendando produtos de cuidados com a pele e anunciando a venda de um colar no formato do Brasil. Todos os produtos são vendidos por Augustin Fernandez, maquiador da ex-primeira dama.

Em outro vídeo, ela aparece em silêncio, com uma música de fundo, pingando um dos produtos no rosto e espalhando. Em seguida, a ex-primeira dama publicou uma foto com a legenda “meu colar favorito”, em que ela aparece com um colar com pingente com formato do mapa o Brasil, junto com o link para a compra do produto.

Em outra foto, ela mostra dois modelos diferentes de pingentes com o mapa, e inclui o link da compra outra vez.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Governador afastado do Distrito Federal deve entregar celular para a polícia na segunda-feira
Lula diz que não há explicação para a taxa Selic estar em 13,75% ao ano
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play